Agora é isso...



Continuando a postagem anterior, e respondendo às perguntas deixadas pelo leitor João Luiz (que disse que leu o blog inteiro, depois perguntou, perguntou, depois sumiu). Passando à pergunta 2...


2) Depois que você se converteu ao catolicismo, como ficou o seu espírito de buscador? Suas dúvidas foram respondidas, sua angústia foi acalmada? Você não busca mais, não se pergunta sobre as coisas mais? Está calmo com as respostas que a igreja dá?


_______Bom, João (gosto deste nome, é forte, amigo, arquetípico, transcendente...), sendo bem direto, depois que eu me converti ao catolicismo... A minha paz acabou, para sempre. A tranquilidade, a quietude de espírito, que eu tanto prezava nas religiões orientais, saiu pela porta, foi embora sem se despedir e, até hoje, não voltou.

_______Chocante? Deve ser. Mas a minha experiência de cristianismo é muito intensa e profunda, como é a minha cara em tudo. Não sou morno, e o mais próximo que eu já fui capaz de chegar disso foram minhas experiências no hinduísmo, brahmanismo e budismo. Talvez por isso tenha me encantado tanto, na época. É muito agradável ser morno, crer que tudo está bem e eu não tenho que fazer nada, não tenho que me preocupar com nada... É isso que eles dizem, por lá. Mas quando me tornei cristão, o morno se tornou fervente, e eu gritei: Ai! Está queimando!

_______Em muitos outros momentos eu me assustei, me afastei um pouco, e em outras vezes corri e tentei fugir mesmo, porque o Jesus que eu encontrei é um fogo que queima fundo, até os ossos, é um DEUS que atrai e repele a um só tempo. É um Jesus muito diferente daquele cara vestido de branco, sentado placidamente em posição de lótus, olhando o horizonte, cabelos ao vento e olhos azul profundo. E quando eu tive medo, achando que não seria capaz de suportar o "tranco", e corri, fugi da raia, nessas ocasiões me senti gelado, trêmulo, como que mergulhado num mar de gelo. E DEUS ria de mim, eu, pobre tolo, covarde, identificado com o tempo, apegado aos prazeres temporários, efêmeros e fúteis deste mundo...

_______Mas DEUS ri para me acalmar, para tornar a cruz mais leve, para se fazer próximo. Não ri com desdém, porque eu sei que ele também sofre por mim, também sente quando eu fracasso, quando decepciono. E essa é uma parte muito difícil de ser cristão: que DEUS é esse que ri, que sofre por mim, que me ajuda a levar minha cruz?? DEUS não "deveria" ser magnânimo, Todo-poderoso, impassível, imóvel, completamente alheio aos sentimentos e fraquezas humanas? E não seria mais fácil ele não me dar uma cruz para carregar, antes de qualquer coisa, ao invés de me colocar esse peso nas costas para depois me ajudar a levar? O Senhor me perdoe, pois eu sei que é isso que Ele quer para mim, mas em minha caminhada eu senti saudades do tempo em que acendia varetas de incenso e recitava mantras sem saber direito o que estava dizendo, porque eram tempos de paz. Mesmo que fosse uma paz fundamentada em mentiras e falsidade. Não digo que as religiões orientais sejam mentirosas e falsas, mas elas representavam um caminho falso para mim. E ninguém pode se realizar se não for si mesmo.

_______Quando cheguei ao catolicismo, exclamei: "aqui é de verdade!"... Eu havia sido levado até ali, mas a minha convicção não era só por esse motivo. Eu sabia, no mais íntimo do meu ser, no mais profundo da minha alma, que era ali, exatamente ali, que a Verdade que eu buscava desde a infância me esperava para se revelar. Só não sabia que eu teria que persegui-la, num jogo divino de gato e rato que parece nunca ter fim. - Mas que me torna mais forte a cada tropeço, a cada cabeçada, a cada derrapada, e também a cada acerto.

_______Eu já tinha passado por inúmeras salas de meditação, já tinha me retorcido em busca do Yoga, já havia me deslumbrado com as filosofias Advaita... E não havia encontrado DEUS em nenhum daqueles lugares. Mas no catolicismo DEUS se manifestava de modo tão claro, sua presença era tão concreta que chegava a me deixar tonto, desnorteado... e às vezes também extasiado. Mas Ele sem dúvida estava ali. Eu o vi, além de tudo, na coerência, nas vidas dos santos, - mortos e vivos, - na prática diária... e nos Milagres. Nem vou considerar, nesta análise breve, os inúmeros sinais recebidos, por sua natureza intrinsecamente subjetiva. Embora, em muitas ocasiões, seja muito difícil ignorá-los.

_______Não, não encontrei paz no cristianismo, a não ser em momentos especiais. - Momentos tão especiais e avassaladores que bastam para compensar todo o restante. - O cristianismo não é um caminho de paz. Não é suave, é radical. É conflituoso, gera conflito interno, por sua própria natureza, pois é a busca incessante do ser humano por negar a si mesmo. Os maiores santos e santas foram heróis e heroínas na arte da auto-negação. Ser cristão é lutar contra si mesmo, todos os dias. Não há muito espaço nem muito tempo para a paz, a não ser em breves pausas no combate, que são consolação e descanso para a alma extenuada.

_______Ok, ok, estou pintando um quadro assustador. Mas procure manter em mente que este quadro é parcial. Só estou respondendo às suas perguntas a partir da perspectiva do quadro geral, tendo em vista aquele menino buscador que cresceu, amadureceu e se vestiu com as cores da Igreja para continuar a Busca. Foi o meu espírito de buscador sincero e honesto consigo mesmo que me levou à Igreja, pois DEUS, sem nenhuma sombra de dúvida, me conduziu a isso. DEUS me abriu essa porta e ordenou: entre. Obedeci, confesso, cheio de medo. Ainda tenho medo hoje, porque é uma opção que exige coragem, e minha coragem às vezes falha. Mas é a Verdade. É o que eu queria e busquei a vida inteira. Para o menino que queria encontrar a Verdade, foi a única opção. A partir do momento em que se entra por essa porta estreita e se toma este Caminho apertado, é um aprender sem fim.

_______Mas é compensador esse Caminho. É gratificante, é transcendental, é tudo! É o que dá fundamento e base, é o que faz feliz, é o que consola nas dores, o que realça e dá cor às alegrias desta vida! É pura loucura! No fim, é simplesmente ser feliz!

_______Uma explicação: estive falando em cristianismo, em ser cristão... Mas você me perguntou sobre catolicismo. É que, para mim, as duas coisas são absolutamente indissociáveis. Honestamente, não vejo diferença entre catolicismo e cristianismo autêntico. No mundo de hoje, vejo muita deturpação escondida sob o rótulo de "cristianismo", mas que não tem nada a ver com o puro e verdadeiro cristianismo. Bem ou mal, a Igreja Católica é a Igreja deixada por Cristo sobre a Terra, e quem se debruçar sobre a questão com espírito desarmado e puro, isentando-se de preconceitos e medos, vai acabar enxergando isto.

_______O cristianismo é, por sua própria natureza e essência, católico, isto é, universal. Não existe cristianismo da "igreja X", "igreja Y", "igreja Z"... Não é possível ser Igreja jogando-se fora o testemunho dos santos, o exemplo de Maria, a sabedoria de S. Tomás de Aquino, Sto. Agostinho, S. João da Cruz, etc, etc... Ser igreja não é seguir um indivíduo que simplesmente leu a Bíblia, alugou um salão e chamou de igreja, registrando um nome fantasia no cartório. Não. E também não é a interpretação pessoal deste ou daquele, por mais sábio e até honesto que seja. O cristianismo, isto é, a Igreja de Cristo, é a caminhada de um povo, que se iniciou há dois milênios e continua ainda hoje, pois as portas do inferno jamais prevalecerão contra ela.

_______Esta Igreja precisou organizar-se, hierarquizar-se, por questões puramente práticas. Não haveria como ser diferente. Nesse processo, ao longo dos séculos, inúmeros erros foram cometidos, muitas deformações surgiram, e continuam surgindo. Existiram, existem e por certo continuarão existindo falhas humanas daqueles que gerenciam a "máquina" da Igreja na Terra. Mas existe uma Igreja dentro da Igreja, que é divina, que se mantém imaculada, que permanece lá, sob toda a crosta de impureza, intocada, e pode ser alcançada por todo buscador sincero. Às vezes, essa Igreja se manifesta através de visões, de Milagres, alguns grandiosos, outros discretos. Às vezes, essa Igreja santa e espiritual manda sinais sutis àqueles que a procuram sem saber, e sem saber onde ela está, e às vezes são sinais imensos, tremendos. Às vezes, um câncer incurável é curado. Uma face destruída é reconstituída. Outras, um braço ou uma perna são restituídos. Um santo(a) é desenterrado décadas depois de sua morte e seu corpo está inteirinho, preservado, exalando perfume... Às vezes, um santo voa, literalmente! Às vezes, outro santo aparece em dois ou mais lugares ao mesmo tempo! Outros ainda passam anos a fio sem se alimentar, mantendo o vigor físico... Às vezes, o vinho vira Sangue, o pão vira Carne. Às vezes, a Virgem Maria ou o próprio Senhor Jesus Cristo aparecem para algum vidente, e o sol muda de lugar, os cegos voltam a enxergar, a estéril concebe e dá a luz... Ou uma criança morta ressuscita.

_______São Sinais que demonstram que essa Igreja Celestial subsiste, que é real e está ao nosso alcance, e que não devemos nos deixar iludir com as falhas da Igreja Terrestre, visível, gerida por homens imperfeitos, e nem pelos gritos dos seus inimigos. Por isso coloquei uma foto do Papa Bento XVI, este imenso homem de Deus, este santo herói da fé, humano, fraco, humilde, velhinho, sentadinho num banco do jardim. Por que odiar um cara que tem sete doutorados, é considerado o maior teólogo vivo do nosso planeta, que poderia estar rico como autor e palestrante, mas prefere abraçar uma vida de total renúncia, jejua semanalmente, acorda todos os dias às 5h da manhã para rezar e precisa ser exemplo máximo de retidão e santidade para milhões? Podem existir motivos legítimos para discordar do homem, mas o ódio explícito que vemos não tem outra explicação a não ser esta: "Sereis odiados por causa do meu Nome".

_______Não; minhas dúvidas não foram todas respondidas; - até porque eu não sou um cara simples, que tem poucas dúvidas. Eu tenho muitíssimos questionamentos e perguntas, - mas elas vão sendo respondidas a cada dia, a cada novo passo nesse Caminho. E o bom desse processo difícil e lento é que, quando uma resposta vem, ela é bem fundamentada, é sólida, não se baseia em "achismo", em conjectura, não é algo imaginado, construído pelo intelecto humano. São respostas que satisfazem e dão liberdade e, aí sim, paz.

_______Alterno períodos de intensa paz e alegria com períodos de angústia profunda, que por sua vez me levam a novas fases de paz, que vai se tornando ainda maior. É um processo de eterna construção de si mesmo, é dinâmico, muitas vezes atribulado. - Por isso falei que o cristianismo não é um caminho de paz. E aí acho que respondo a todas as outras perguntas: Sim, eu continuo buscando, pois o cristianismo que descobri é buscar mais e mais; sim eu me pergunto sobre as coisas, sobre os porquês, e muitas vezes sou impaciente, mas a grande maravilha é que as respostas vêm, e são sempre perfeitas e saciam plenamente a minha sede de buscador. Até surgir uma nova pergunta, e aí começa tudo de novo. Não, eu não estou "calmo", isto é, conformado com as respostas que a Igreja me dá, ao menos não até que eu consiga digerir, compreender e assumir tais respostas.

_______Importante notar que as respostas dos homens que representam a Igreja nem sempre são as respostas da Igreja. Mas para cada resposta da Igreja, a Celeste, que eu refutei, até hoje, acabei sendo obrigado, algum tempo depois, a voltar atrás e dar a mão à palmatória, dizendo: "eu estava errado; a Igreja estava certa, e agora entendo porque".

_______Até a próxima...


( Comentar este post __ Ver os últimos comentários