Cálice da Minha Salvação

Testemunho
Em 14 de fevereiro de 2011, às 22h31min, Mizi veio a este blog e disse...


Ontem eu experimentei um milagre. Ontem, algo muito incomum e totalmente extraordinário ocorreu-me, de uma forma muito inusitada que mexeu profundamente comigo, justamente pelo modo que tem andado minha vida e pelos pensamentos que tenho tido. E Deus me provou (uma prova concreta) que Ele me ama e que me deu tudo. Despojou-se de tudo por mim, para que eu tivesse certeza de que Ele me ama.

_______Ontem, Deus me disse: "Meu filho, eu dou o meu Sangue por você. Eu te amo." E uma vozinha dentro de mim, muito envergonhada, perguntou-se: "o que você tem dado a Deus? Tem dado tudo a Ele? Tem dado a sua vida a Ele? O seu sangue a Ele?"

_______Meus amigos, de hoje em diante me esforçarei para ser verdadeiramente santo, segundo a vontade Dele. Pois só Ele se deu de tal forma a mim. Amigos, me ajudem com orações, pois provavelmente passarei por um período conturbado de tentações e de muitas forças que tentarão me desviar desse propósito de superação pessoal. E eu preciso me superar pessoalmente, para que eu possa verdadeiramente me dispor aos outros.

_______O milagre que ocorreu em mim não foi um delírio; não foi tampouco um evento paranormal. Foi presenciado por, no mínimo, umas 300 pessoas, embora eu suspeite que nenhuma delas (exceto eu) tenha percebido o milagre. Claro: era um milagre para mim. Ontem, meus amigos, o Sangue de Cristo desceu-me pela garganta e entrou dentro do meu ser (não... acho que Ele não foi pra minha barriga). Nunca em minha vida havia consumido tal preciosidade.

_______Olha que conheço muito bem o sabor dos vinhos. Mas ontem, o que bebi não tinha gosto de vinho, não tinha temperatura de vinho. Era quente e parecia pulsar... Parecia vivo. Não tenho outra explicação. Tive medo de abrir a boca e constatar que aquilo não era o que parecia, embora segundos antes eu tivesse visto com meus olhos que parecia ordinariamente normal.


Prelúdio

Ao chegar à Missa, avistei um amigo de quem gosto muito especialmente. Infelizmente, não tenho muito contato com ele, mas, mesmo assim, isso não impede que haja entre nós um amor muito grande. Não pude me conter. Vi o Fábio (que às vezes chamo de ‘Papa Fábio’, porque ele me disse uma vez que queria ser papa... Rss) sentado lá numa das últimas cadeiras. Fui lá e dei um abraço muito carinhoso (como posso dizer... um abraço de verdade). Disse-lhe: "nossa, que saudade de você, amigo". Soltei Fábio e olhei em seus olhos. Estavam marejados. Eu disse: "o que você faz aqui atrás? Seu lugar é lá na frente". Fábio riu e apenas se assentou.

_______Voltei ao meu lugar (à esquerda do Altar, onde ficam os músicos). Olhei para ver se Fábio tinha mudado de lugar. Ele não estava no mesmo banco de antes. Tampouco o vi nas primeiras fileiras. Apenas perdi o Fábio de vista. Só o encontrei novamente na hora da comunhão.


Comunhão

Nunca se viu tantas comunhões naquela paróquia. Eu, cantando, não percebi nada do que aconteceu. Apenas uma voz me dizendo: "VEM". Eu não iria. Eu sabia que não ia, porque justamente naquele dia, horas antes, eu tinha cometido uma falta grave, inclusive discriminada no evangelho lido há pouco. Mas a voz disse "VEM". Eu tive vergonha. Não fui. Aliás, eu estava cantando, ótima desculpa para não ir. Ao final, sem filas... Padre voltando para o altar. Olha para mim, e acena com a cabeça, como quem diz: "Você vai comungar?"

_______
Dei um passo para trás. Mas a voz disse: "VEM". Então, inconscientemente, mexi a cabeça para cima e para baixo (isso é um sim... meu Deus... é um sim... o que estou fazendo? Bom, agora já é tarde...). Pensei que o padre fosse ao meu encontro, à esquerda, como faz quando não deixamos os instrumentos para entrar na fila. Mas ele não fez isso. Foi para a frente do altar, pegou o Cálix e olhou para mim. Fiquei sem saber o que fazer. A voz me empurrou (‘VEEEEEMM’ dentro de mim). Olhei para trás, e nada. Olhei para frente. O Padre acenou para eu prosseguir. Meu Deus, subi ao Altar...

_______No Altar! A igreja toda vendo. Meu Deus... Esperei que o padre levantasse aquele Cálice, tirasse uma hóstia, anunciasse baixinho "o Corpo de Cristo", e me desse. Mas ele me estendeu o Cálice para eu pegar. Peguei e olhei. Era vinho. Olhei para ele sem entender. Ele disse: "Sangue de Cristo. Pode tomar". Mas a outra voz (a que tinha dito ‘VEM’) disse: "TOMA... VOCÊ NÃO QUERIA? AGORA TOMA!". Achei que fosse desmaiar. Olhei para a assembleia, mas parece que estavam todos bem alheios, ainda que transcorresse aquele estranho fato: um membro do grupo de canto estivesse no Altar, tomando o Cálice do padre. Será que alguém se perguntou o por quê?

_______
Bom... eu não posso julgar. Nem mesmo eu perguntei o "por quê". Eu sabia exatamente o porquê. Eu sabia. E quando levantei o "pote" para poder beber, dei um gole, e tive vontade de regurgitar. O braço desceu, como se quisesse devolver o líquido que eu antes tentara colocar pra dentro. "Meu Deus, o que é isso? Não é vinho." Tive a impressão de ter quase devolvido o líquido para o "pote", mas a mão do padre segurou a minha por baixo e a levantou novamente (da mesma forma que, quando a gente é criança, e está tentando tomar dipirona líquida, a gente leva o copo à boca, mas na mesma hora desce o braço por causa do forte cheiro do remédio que causa ânsia de vômito, e nossos pais seguram nossos braços para nos forçar a engolir... Como quem diz, ‘toma essa remédio. Se não tomar por bem, vai ser na marra!’). Foi isso que o padre fez.

_______E Ele desceu pela garganta. O que era Aquilo? Era quente e "pulsava". Meu Deus... o que era aquilo... Só me lembro de ter voltado para o meu lugar e sentido uma forte onda de calor. Provavelmente devo ter ficado vermelho, como se tivesse corrido.

_______
Meu coração acelerou. E minha boca só abriu para poder cantar a música "Ação de Graças", que aliás já esperava para se iniciar... Mas quase não saiu voz... Eu estava lutando com Aquela outra voz que agora dizia "Eu te dei o meu Sangue. Você ainda duvida que te amo?"

_______Não sei porque, mas percebi uma estranha relação entre o fato ocorrido com o Fábio, e esse outro fato ocorrido comigo. E talvez quem já leu sobre isso no evangelho deva saber do que estou falando. Mas disso eu não vou falar, porque é pessoal. Muito pessoal. E não quero dizer o que aconteceu, mas apenas como me senti.



"Que darei eu ao SENHOR, por todos os benefícios que me tem feito?
Tomarei o Cálice da Salvação, e invocarei o nome do SENHOR.
Honrarei meus votos ao SENHOR, agora, na presença
de todo o seu povo. Preciosa é, à vista do SENHOR,
a vida dos seus santos."

Salmo 16, 12-15


_______Não sei se imaginei tudo isso (aquele estranho sabor na boca, quente e pulsante). Só sei que o fato ocorreu. Ou seja, eu, inesperadamente, fui convidado a tomar o Cálice, na boca do Cálice. Nunca, em minha vida toda, isso tinha acontecido. Nunca tinha visto acontecer com ninguém. Geralmente, apenas o padre toma o Cálice. Porque ele derrama as migalhas da Hóstia no Cálice e bebe tudo para não sobrar nada. A única vez que tinha tomado o Vinho Consagrado foi na minha primeira Comunhão, e mesmo assim, era a Hóstia mergulhada no vinho (como no máximo é o que acontece nas paróquias aqui de Brasília, isso quando tem muito vinho... Pois o normal mesmo é só serem distribuídas as Hóstias). Por que o padre fez isso comigo? Por que me expôs? Na frente de todos? Será que ele sabia de algo? Mas eu nunca me confessei com ele. Aliás, há muito tempo não me confessava com padre nenhum, por vergonha, claro. Seria um milagre?

_______
Após os avisos finais, o padre disse que ia passar um videozinho para a comunidade. Era um clip com uma música muito bonita, que dizia “Meu filho me perguntou: se Ele desse tudo, o que poderia acontecer?.. E eu respondi: meu filho, uma atitude dessas poderia mudar o mundo”. Era mais ou menos isso que dizia a letra da música. Era uma música em inglês... mas tinha legenda.


Epílogo

Bom... Não precisa dizer mais nada. Não creio eu que tudo isso tenha sido normal. Muito pelo contrário. Estou acostumado com a Liturgia, e nunca nada nem parecido com esse estranho fato aconteceu. E embora muitos tenham visto, ninguém parece ter notado. Digo isso porque toda minha família estava lá, e todos agiram como se nada demais tivesse acontecido. Até perguntei à minha mãe: “você viu o que o padre fez comigo? Meu Deus, que vergonha.... Que vinho quente... Wue...” - Eu nem conseguia me expressar... Estava totalmente confuso... Não saía nenhuma palavra logicamente formada. Ela me disse: “Vi o quê? Ué, você foi lá na frente?” Tá... E fiquei pensando: “será mesmo que ela achou isso tudo normal? Não é possível”. Então perguntei “você não viu que tomei do Cálice lá na frente?” E ela disse: “Vi, ué”... E mais nada...

_______Desisti de tentar entender... Não perguntei mais nada. Bom, está aí algo incomum. Algo que resolvi compartilhar, para dar testemunho de que Deus Às vezes chama à Vida até mesmo aqueles que se acham "vergonhosos", "indignos". E eu muito tenho vivido isso.

Meus irmãos, se puderem, orem por mim.


Eu digo...

Mizi, antes de qualquer coisa, preciso lhe dizer que se esse seu depoimento tivesse chegado antes de eu ter vivido as coisas que contei aqui, eu teria grandes dificuldades para acreditar no que você está contando. Entenda bem que não há nenhuma alusão à má-fé no que estou dizendo; acho que nem preciso explicar isso, dada a confiança que tenho em você e que já manifestei várias vezes por aqui. Digo que seria difícil crer, isto sim, na autenticidade da experiência em si. Provavelmente eu concluiria que você imaginou tudo, que foi a emoção do momento, uma ilusão provocada por suas crenças...

_______Mas o fato é que depois de ter vivido aquela experiência, automaticamente me tornei muito mais "crente", por assim dizer. Depois que algo assim acontece com você, é impossível continuar simplesmente duvidando.

_______Em primeiro lugar, quero dizer que o seu depoimento me tocou produndamente. E me deu a oportunidade perfeita para concluir uma questão bem específica: no post "Livro da Sabedoria: a Religião", quando falei em "guardiões", eu estava falando dos padres. Não conheci, em minha experiência de vida, nenhum mestre, nenhum guru, andarilho ou sábio que pudesse se comparar, nem de longe, a um sacerdote. E essa realidade ficou claríssima na minha e na sua experiência.

_______Sei que dizer isso choca muita gente, e meu espírito radicalmente ecumênico me faz entender isso muito bem. Em primeiro lugar, os que não partilham da nossa fé relutam em aceitar que um ser humano aparentemente comum possa deter algum tipo de Graça divina especial, capaz de torná-lo alguma coisa parecida com um mediador entre DEUS e os homens(mulheres). Não, DEUS não precisa de mediadores.

_______E, além disso, pior ainda, existem muitos e muitos padres que são verdadeiros imbecis. Outros são criminosos. Todos os padres são pecadores, exatamente como nós, e alguns convivem com graves doenças mentais, provavelmente provocadas pelas exigências da vida clerical: existe até um tipo muito específico que chega ao extremo do extremo da fragilidade, da limitação, do desequilíbrio e até da degeneração humana: caso dos pedófilos. Infelizmente, a grande mídia faz parecer que existem centenas de milhares de padres pedófilos no mundo, infestando todas as paróquias, e que todo sacerdote católico deve ser visto com desconfiança. Nada está mais distante da verdade. Numa imensa multidão de padres santos e fiéis, que adotam um estilo de vida realmente exemplar, de entrega pelo bem do próximo, existe uma insignificante minoria de degenerados de batina que, mesmo tendo abraçado uma missão sagrada, foram vencidos por seus instintos humanos mais doentios e tenebrosos... E são estes os que aparecem na telinha, denegrindo a imagem de toda uma egrégora verdadeiramente sagrada. Falar do belíssimo trabalho de sacerdotes como Pe. Giampietro Carraro, da Missão Belém, de um Pe. Olinto Pegoraro, um Côn. Geraldo Carlos da Silva, um Pe. Jonas Abib e tantos, tantos outros homens de DEUS que ensinam através do exemplo, dia a dia, como ser verdadeiramente cristão, tornando-se imagem de Jesus Cristo no mundo, isso não gera audiência.

_______Eu ousaria dizer, porém, que a maioria dos sacerdotes, provavelmente, é formada por homens simplesmente medíocres: pessoas com boas intenções (como a maioria de nós), mas com poucos talentos naturais, escassas qualificações intelectuais e, muitas vezes, também espirituais. Mas então, porque eles são tão especiais?

_______A resposta é muito simples: DEUS quis usar seres humanos, tornando-os aptos em um nível muito sutil, imperceptível aos nossos sentidos, para por meio deles se manifestar de maneira especialíssima à humanidade. Parece estranho, incoerente, ilógico, improvável para você? Para mim também. Mas é assim. Se você, que lê estas minhas palavras agrora, por acaso "não concorda" com essas coisas, reclame com DEUS, não comigo. Porque é assim que DEUS age neste mundo.

_______Estou falando especificamente dos sacerdotes cristãos católicos, porque sei que eles são mesmo guardiões do Mistério nesta terra. Mas, e os outros sacerdotes, líderes e mestres de outras religiões? Não serão eles também guardiões do Mistério? Bom, se estivermos falando de homens/mulheres espiritualmente autênticos, buscadores sinceros fazendo suas próprias descobertas a cada novo passo na grande Jornada, e buscando auxiliar outros, então eu honestamente acredito que sim, eles também poderiam ser considerados guardiões, em algum sentido. Mas os padres são mesmo muito especiais, como eu e MIZI percebemos na prática, simplesmente porque... Puxa, pelas mãos deles DEUS se manifesta no mundo!

_______Todos os dias acontece um milagre maior do que qualquer prodígio grandioso descrito na Bíblia ou em qualquer outro livro sagrado de qualquer tradição religiosa do mundo: DEUS se faz Presente no mundo, através de pão e vinho, que se tornam Corpo e Sangue Sagrados! E este milagre tremendo se dá por meio de um canal humano: o sacerdote! - Puxa, imagino que este é o post mais católico que jamais escrevi neste blog... Mas não haveria como ser diferente, por motios óbvios.

_______MIZI, desde que me vi transportado àquela realidade inefável, sublime, inexplicável e totalmente transformadora, através da Sagrada Eucaristia, minha vida nunca mais foi a mesma. Aquela experiência ocorreu exatamente no momento em que a minha fé vacilava, quando eu começava a questionar se todas as minhas decisões até ali estavam corretas ou completamente equivocadas. Quando estava prestes a olhar para trás e retroceder no Caminho, foi nesse momento que DEUS me disse, de uma maneira mais clara e mais direta do que qualquer lógica humana seria capaz de conceber, algo mais ou menos assim: "EU ESTOU AQUI. VOCÊ ENCONTROU O CAMINHO QUE LHE CONDUZIRÁ A MIM, COMO TANTO QUERIA. NÃO DESISTA AGORA. VEJA, ESTOU COM VOCÊ E ESPERO QUE FAÇA A SUA PARTE, PERSISTINDO NESTE CAMINHO QUE AINDA NÃO ENTENDE. E PRECISO QUE VOCÊ O FAÇA PELA FÉ, POIS A SUA RAZÃO NÃO PODE ME ALCANÇAR AGORA. RECEBA MINHA GRAÇA INFINITA E NÃO DUVIDE MAIS..."

_______Então, MIZI, meu querido amigo, digo que este é um parâmetro bastante fiel e fácil para você se orientar a partir de agora: se essa experiência for transformadora na sua vida, se fizer de você alguém melhor do que era antes... então foi verdadeira. Uma árvore se conhece pelos frutos, não foi isso que Ele disse? Você recebeu uma tremenda, inacreditável, imensurável Graça. Agradeça, aceite e seja essa Graça. Mas cuidado: não se culpe nem se cobre exageradamente, pois na ânsia de nos fazermos "dignos" de uma grande Graça como essa, é fácil perder o equilíbrio. E equilíbrio é necessário. Sempre. Lembre-se: é a partir de agora que você vai descobrir, observando-se, o que realmente houve. Sempre há a possibilidade de tudo ter sido somente uma série de co-incidências e interpretações mistificadas da sua parte. - Mas que isso é altamente improvável, dadas as características totalmente extraordinárias do que você relatou, isso é...

__ _ __Sabe o que eu acho mais impactante nessa situação toda? O que houve com você é o que acontece todos os dias, na celebração da Santa Missa, com todos os que participam do Banquete Eucarístico, a Divina Comunhão. O que se manifestou à minha visão, naquele dia que nunca mais esquecerei, é o que se manifesta de maneira invisível todas as vezes que o padre consagra a Hóstia e o Cálice. Mas, como não vemos, não nos emocionamos, não nos transformamos e nem nos comportamos com a devida reverência. Agimos como se tudo fosse coisa sem maior importância, apenas um ritual vazio e corriqueiro. Como Tomé, precisamos ver para nos prostrarmos e exclamar: "Meus DEUS e meu Senhor!"... Isso dão o que pensar, não é mesmo?

_______No mais, gostaria de dizer que continuo curioso: nunca, jamais soube de um padre ter dado o Cálice Consagrado para um leigo beber, sem nenhuma razão aparente, e muito menos assim, praticamente obrigando-o a engolir como se fosse um remédio amargo, como você descreveu. E depois disso, você não perguntou nada para o padre? Simplesmente voltou para casa e nunca mais tocou no assunto? Algo tão incomum acontece e você não diz nada? Isso é estranho, não acha? E sua mãe, católica praticante, achou tudo muito "normal"?? Como assim???

_______Finalizo agradecendo do mais profundo do meu coração por ter se lembrado deste pequeno irmãozinho, e ter vindo compartilhar comigo e com todos. Muito obrigado, e a Paz de Cristo seja com todos nós!


( Comentar este post __ Ver os últimos comentários