Livro da Sabedoria: a Religião

ou "Comunhão, lugares e guardiões"




No meu Livro Pessoal da Sabedoria, falo das minhas convicções. Falo das coisas que verdadeiramente aprendi com meu mestre interior. Para Santo Agostinho, é através das interrogações que se ensina, e foi assim que sempre aprendi, como contei na primeira fase deste blog, onde narrei minha busca espiritual desde o início. Agostinho, grande buscador, descobriu que no ensino espiritual as palavras são apenas sinais. Porém, as palavras trazem à mente as coisas que simbolizam; por isso exortam a procurar as coisas em si, mesmo que, entretanto, não possam mostrá-las, pois palavras não mostram as coisas. O mestre exterior somente admoesta, desafia e desperta o desejo de conhecer no discípulo; quem ensina verdadeiramente é o mestre interior. Por isso a Verdade não pode ser realmente transmitida: somente o mestre interior pode ensiná-la.

Na teoria agostiniana, os mestres exteriores apenas despertam o interesse e o desejo no discípulo, para que ele possa buscar sabedoria. Para isso, o aluno deve ser verdadeiro e sincero consigo mesmo, antes de tudo. Ele deve ter plena consciência do seu conhecimento e do seu aprendizado. O discípulo deve estar munido de vontade plena para aprender. Ele deve querer ser educado e educar-se, aperfeiçoar-se e abrir-se para seu mestre interior; é preciso que ele esteja aberto para a auto-avaliação e para a autocrítica. O discípulo precisa adquirir o hábito de educar a si próprio; do contrário, nunca haverá uma autêntica e verdadeira educação espiritual. Até aqui falei sobre como se escreve um livro pessoal da Sabedoria. A partir deste ponto, segue conteúdo do livro.


Não há neste mundo um lugar que seja perfeito, que seja tão bom ou tão puro que possa servir como lugar de acolhida para DEUS. Não há neste mundo templo ou casa que possa conter/encerrar a Presença de DEUS.

_______Ao mesmo tempo, de algum modo que não posso compreender, qualquer lugar é bom o bastante. Qualquer lugar é palco; qualquer lugar é ou pode ser Morada do Altíssimo, porque Ele está dentro de nós.

_______É algo difícil de explicar, e os homens-guardiões têm muito medo de expressar essas coisas, e com razão. Não podemos culpar esses guardiões por temerem botar tudo a perder. Por serem tão cautelosos, eles são frequentemente incompreendidos. Muitos os desvalorizam. A maioria de nós os subestima.

_______Ensinar o Caminho de DEUS é uma responsabilidade grande, imensa demais para qualquer ser humano. É como pedir a uma formiga que carregue o mundo. Mas essa missão assim tão grandiosa foi confiada a alguns homens especiais. É algo muito difícil de entender e de crer, como tudo que vem de DEUS.

_______Alguns homens aparentemente comuns guardam a Mensagem, o Mapa do Caminho, as Chaves da Porta. São estes os guardiões. E eles não podem dizer que essa Chave está dentro de cada um de nós, - mesmo que seja verdade, - porque isso sem dúvida seria mal compreendido. Seria mal compreendido pela maioria. O risco é muito grande. Por isso os guardiões às vezes dizem, e depois contradizem.

_______Infelizmente isso acaba gerando confusão, e por essa razão muitos buscadores sofrem. Há muita gente gemendo e chorando, porque o Caminho não lhes é mostrado claramente, objetivamente, como gostariam. Nesse lapso do processo, inúmeros falsos mestres se inserem, aproveitando para oferecer aos buscadores toda sorte de explicações "bonitas" e confortáveis, as respostas prontas e consoladores tão desejadas por todos. São falsas soluções, e extremamente perigosas. Isso, porém, não representa um perigo real para os verdadeiros buscadores, pois estes estão sempre amparados. A Verdade sempre encontra um modo de desviá-los destes falsos caminhos, pois quem deseja a Verdade acima de tudo acaba percebendo onde ela não está.

_______Como explicar que a Lei de DEUS está contida em nossas consciências? Se eu penso, respiro e existo, DEUS aí está. Mas como os guardiões poderiam ensinar isso sem abrir espaço para descaminhos e interpretações equivocadas?

_______Estar em Comunhão é se abrir, "rasgar" seu espírito de cima abaixo, como o véu do Templo. É se colocar diante de DEUS e se confessar integralmente, sabendo que ele ouve, entende e responde, melhor e mais perfeitamente do que qualquer pessoa poderia. Mas Ele também designa homens, os mesmos guardiões da Verdade, para nos ouvir e até nos perdoar. Por quê? Porque precisamos de alguém que possamos ver, alguém que interaja fisicamente conosco e nos diga, diretamente, o que fazer. Precisamos desses guardiões, porque somos limitados. Os guardiões são pessoas humanas através dos quais a Pessoa Divina interage conosco, diretamente. Não são representantes de DEUS na Terra, como detentores da Graça Divina, mediadores entre DEUS e os homens ou atravessadores do processo de Comunhão. São mais como canais, além de "médicos espirituais". E são muito, muito importantes.

_______As coisas se complicam porque esses guardiões não são seres mágicos, superpoderosos ou especiais de algum modo que possamos perceber usando nossos sentidos físicos. Muitas vezes os guardiões sequer são dignos de sua missão grandiosa. Mas continuam sendo guardiões, porque assim foi determinado.


( Comentar este post __ Ver os últimos comentários