Reatar relações com Deus: voltar a si




Retomando o papo ou anteriormente em “Respostas”...

Dizia eu que Podemos afirmar tranquilamente, sem medo de errar, que praticamente todas as tradições religiosas referiram a esse momento em suas mitologias, que para nós, ocidentais, se convencionou chamar de ‘a Queda do Homem’. O homem (isto é, a humanidade) estava com Deus, era UM com Deus e partilhava da Vida de Deus, em Deus. Hoje, estamos divididos, separados, afastados de nosso Criador. Perdemos contato com essa Realidade Transcendente e só conseguimos acessá-la, - e mesmo assim em parte e imperfeitamente, - em momentos e situações muito especiais, como nas epifanias. Foi algo assim que eu tentei relatar aqui, e também aqui, aqui e aqui, entre tantas outras. A esses especiais e raros momentos de conexão muitos chamam de ‘milagres’.

Mas o que fazer para reatar essa relação íntima e direta com DEUS? Isso é possível? É desejável? Vale a pena tentar? O que ganhamos com isso? O que perdemos? Devemos ter medo? Esse "reatar relações" com Deus pode ser alcançado por meio de alguma religião? Ou por todas elas? Algum personagem histórico já conseguiu tal feito? Se a resposta for positiva, como alcançar tal experiência? Ou ela só estará disponível para aqueles seres humanos muito especiais ou muito santos? Como buscar essas experiências sem me tornar alienado, maluco, execrado pela sociedade, sem perder a noção da realidade, do que é concreto, e, até mesmo, sem me sentir especial ou superior aos outros?


Ousei fazer as perguntas, agora é respondê-las, uma por uma; afinal, chamei essa fase do blog de “Respostas”. Sou corajoso ou completamente insano, eu sei... (provavelmente mais a segunda coisa que a primeira). Vejamos: essas perguntas fundamentais se complementam e interagem entre si, mas obviamente precisam ser respondidas individualmente. Na medida em que as respostas forem se desenvolvendo, observaremos as possíveis relações e/ou dependências entre elas. E lá vamos nós de novo...


O que fazer para reatar a relação íntima e direta com DEUS?


Quando o estranho personagem que descrevi em “Primeira resposta” me perguntou "quem era eu" (e interpretei que a resposta deveria ser no sentido mais perfeito que eu pudesse alcançar), tive num instante uma visão de tudo o que representou a experiência humana nesta Terra, desde o princípio dos tempos (claro, da maneira que poderia ser compreendida por minhas singelíssimas capacidades). Então compreendi que eu sou desde o Alfa da Criação, e desde ainda antes. Entendi que venho dO que havia antes do Princípio, antes que as coisas existissem. Que existo na Mente do Universo, desde antes da criação do próprio Universo, e que a minha origem está na Origem das origens. Eu sou uma legítima manifestação do EU SOU. - Eu sou luz e meu corpo é manifestação de luz: ainda que no nível mais raso, meu corpo ainda provém da Luz. O mais é Mistério. E o primeiro passo no caminho para a Verdade é a aceitação do Mistério. Sendo assim, compreendi instantaneamente que questionar o porque de me encontrar agora separado da Fonte Primordial é completamente insensato (dada a minha pequenez e a minha pobreza).

Partindo destes princípios básicos, a pergunta seguinte, inevitável, é exatamente esta: se venho de DEUS, se sou parte de DEUS, - se sou Imagem e Semelhança do próprio Criador das Origens, mas sou ao mesmo tempo pequeno e fraco, isolado numa realidade de provações e sofrimento, o que fazer para reatar a relação íntima e direta com DEUS, que antes havia como coisa natural?


A Fera ruge, a Fera Sagrada: perdão amigos, ainda não pude encará-la...



( Comentar este post __ Ver os últimos comentários