Em busca da Libertação Final - 12

A última solução clássica para o problema da existência do mal e do sofrimento no mundo - parte 3




Palavras do Eclesiastes, filho de Davi, rei de Jerusalém


VII


A boa fama vale mais que o melhor perfume; mais vale o dia da morte que o dia do nascimento.

Melhor é ir para a casa onde há luto que para a casa onde há banquete. Porque aí está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração.

Melhor é a tristeza do que o riso, porque com a tristeza do semblante se faz melhor o coração.

O coração dos sábios está na casa do luto, o coração dos insensatos na casa da alegria.

É melhor ouvir a reprimenda de um sábio que a canção de um tolo, porque, qual o crepitar dos espinhos ao fogo, tal é o riso do insensato. E isso é ainda vaidade.

A opressão torna um sábio insensato; os presentes corrompem o coração.

Mais vale o fim de uma coisa que seu começo. Um espírito paciente vale mais que um espírito orgulhoso.

Não cedas prontamente ao espírito de irritação; é no coração dos insensatos que reside a irritação.

Não digas jamais: 'Por que foram os dias dos passado do que estes de agora?' - Porque não é a sabedoria que te inspira esta pergunta'.

A sabedoria é tão boa como uma herança, e é de proveito aos que vêem o sol.

Porque a sabedoria serve de defesa, como de defesa serve o dinheiro; mas a excelência da sabedoria é que ela dá vida ao seu possuidor.

Considera a obra de Deus: quem poderá endireitar o que ele fez torto?

No dia da felicidade, sê alegre; no dia da desgraça, lamenta; porque Deus fez uma e outra, de tal modo que o homem não conheça o futuro.

No decurso de minha vã existência, vi tudo isso: há o justo que morre, permanecendo justo, - e o ímpio que dura, apesar da sua malícia.

Não sejas justo excessivamente, nem sábio além da medida. Por que te destruirias a ti mesmo?

Não sejas excessivamente mau, e não sejas insensato. Por que haverias de morrer antes de tua hora?

É bom que guardes isto, e que não negligencies aquilo: porque aquele que teme a Deus, realizará uma e outra coisa.

A sabedoria dá ao sábio mais força que dez chefes de guerra reunidos numa cidade.

Não há homem justo sobre a terra que faça o bem sem jamais pecar. Não prestes atenção em todas as palavras que se dizem, para que não ouças dizer que teu servo fala mal de ti; porque teu coração bem sabe que tu mesmo, muitas vezes, também falaste mal dos outros.

Tudo isso aprendi com sabedoria. Mas disse comigo mesmo, em meu coração: eu quero ser sábio. Mas a sabedoria ficou longe de mim.

Aquilo que já se foi é longínquo, profundíssimo: quem o poderá sondar?

Eu me apliquei de todo coração a perscrutar, a sondar a sabedoria e a razão das coisas, a reconhecer que a maldade é uma loucura e a falta de razão uma demência.

E descobri que a mulher é coisa mais amarga que a morte, porque ela é um laço, e seu coração uma rede; suas mãos, cadeias. Aquele que é agradável a Deus lhe escapa, mas o pecador será preso por ela.

Eis o que encontrei, diz o Eclesiastes, procurando descobrir a razão de uma coisa depois de outra.

Eis o que eu procuro continuamente sem descobrir: encontrei um homem entre mil, mas nenhuma mulher entre todas.

Somente encontrei isto: Deus criou o homem reto, mas ele procura por extravios.




VIII


Quem é comparável ao sábio, que conhece a razão das coisas? A sabedoria de um homem ilumina-lhe o semblante, e a severidade de seus traços é modificada por ela.

Observa a ordem do rei e, por causa do juramento feito a Deus, não te apresses a fugir de sua presença. Não te comprometas com um mau negócio, porque o rei faz tudo que lhe apraz.

Com efeito, sua palavra é soberana; e quem ousaria dizer-lhe: 'Que fazes tu?'

Aquele que observa o preceito não provará mal algum, e o coração de um sábio conhece o tempo e o julgamento.

Porque para tudo há um tempo e um julgamento, e a desgraça pesa forte sobre o homem.

Ele não conhece o futuro; quem lhe poderia dizer como as coisas se passarão?

O homem não é senhor do sopro de sua vida (ou sua alma), nem é capaz de o conservar. Ninguém tem poder sobre o dia de sua morte, nem a faculdade de afastar esse combate; o crime não pode salvar o criminoso.

Eis o que eu vi, aplicando meu espírito a tudo que se faz debaixo do sol, quando um homem domina sobre outro homem para a desgraça deste último: vi ímpios receberem sepultura e gozarem de repouso, enquanto que aqueles que tinham feito o bem iam para longe do lugar santo e eram esquecidos na cidade. Isto ainda é vaidade.

Porque a sentença contra os maus atos não é executada imediatamente, o coração dos homens se enche de desejo de fazer o mal; - porque o pecador culpado de cem crimes vê a sua vida prolongada. Eu sei, no entanto, que a felicidade é para os que temem a Deus, que sua Presença enche de respeito, e que não haverá nenhuma felicidade para o ímpio, o qual, como a sombra, não prolongará sua vida, porque não tem temor a Deus.

Há outra vaidade que aparece sobre a terra: há justos aos quais acontece o que conviria ao proceder de imprudentes; e há ímpios aos quais acontece o que conviria ao proceder de justos. Digo que isso é também vaidade.

Por isso louvei a alegria, porque não há nada de melhor para o homem, debaixo do sol, do que comer, beber e se divertir; possa isto acompanhá-lo no seu trabalho, ao longo dos dias que Deus lhe outorgar debaixo do sol.

Quando meu espírito se entregou ao estudo da sabedoria e à observação das coisas que se passam sobre a terra - porque nem de dia, nem de noite os olhos dos homens encontram repouso, - verifiquei, em toda a obra de Deus, que o homem nada pode descobrir do que se faz debaixo do sol. - Ele se fatiga a investigar, mas não encontra, e se mesmo um sábio pensasse ter conseguido, isso não aconteceria.


IX


Apliquei então meu espírito ao esclarecimento de tudo isso: os justos, os sábios e seus atos estão na mão de Deus. O homem ignora se isso será amor ou ódio. Tudo é possível.

Um mesmo destino para todos: há uma sorte idêntica para o justo e para o ímpio, para aquele que é bom como para aquele que é impuro, para o que oferece sacrifícios como para o que deles se abstém. O homem bom é tratado como o pecador e o perjuro como o que respeita seu juramento.

Entre tudo que se faz debaixo do sol, é uma desgraça só existir para todos um mesmo destino: por isso o espírito dos homens transborda de malícia, a loucura ocupa o coração deles durante a vida, depois da qual vão para a mansão dos mortos.

Porque, enquanto um homem permanece entre os vivos, há esperança; mais vale um cão vivo que um leão morto.

Com efeito, os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem mais nada; para eles não há mais recompensa, porque sua lembrança está esquecida.

Amor, ódio, ciúme... Tudo já pereceu; não terão mais parte alguma, para o futuro, no que se faz debaixo do sol.

Ora, pois, come alegremente teu pão e bebe contente teu vinho, porque Deus já apreciou teus trabalhos.

Traja sempre vestes brancas e haja sempre azeite perfumado em tua cabeça.

Desfruta da vida com a mulher que amas, durante todos os dias da fugidia e vã existência que Deus te concede debaixo do sol. Esta é tua parte na vida, o prêmio do labor a que te entregas debaixo do sol.

Tudo que tua mão encontra para fazer, faze-o com todas as tuas faculdades, pois que na região dos mortos, para onde vais, não há mais trabalho, nem ciência, nem inteligência, nem sabedoria.

Nas minhas investigações debaixo do sol, vi ainda que a corrida não é para os ágeis, nem a batalha para os bravos, nem o pão para os prudentes, nem a riqueza para os inteligentes, nem o favor para os sábios: todos estão à mercê das circunstâncias e da sorte.

O homem não conhece sua própria hora: semelhantes aos peixes apanhados pela rede fatal, ou os passarinhos presos no laço, os homens são enlaçados na hora da calamidade, que se arremessa sobre eles de súbito.

Vi também, debaixo do sol, este exemplo de uma sabedoria que me pareceu grande: havia uma pequena cidade, pouco populosa, contra a qual veio um poderoso rei que a sitiou e construiu contra ela fortes trincheiras.

Ora, aí se encontrava um pobre homem, prudente, cuja sabedoria salvou a cidade; e ninguém se lembrou desse pobre homem.

Por isso eu disse: a sabedoria vale mais que a força; mas a sabedoria do pobre é desprezada e às suas palavras não se dão ouvidos.

As palavras calmas dos sábios são mais bem ouvidas que os gritos de um chefe entre insensatos.

Mais vale a sabedoria que as armas e máquinas de guerra; mas um só pecador pode causar grande dano ao bem.





( Comentar este post __ Ver os últimos comentários