História do Cristianismo - 6

Reconstituição histórica




Retomando a sequência de postagens da enciclopédia das religiões do a Arte das artes, do ponto em que havia parado, - História do Cristianismo, - veremos agora um breve resumo sobre algumas particularidades a respeito do contexto histórico das narrativas dos Evangelhos...

Nunca a ciência se empenhou tanto na busca por reconstituir a trajetória do chamado 'Jesus histórico'. Especialmente nos últimos anos a arqueologia tem trazido importantes contribuições à pesquisa historiográfica da vida de Jesus, em alguns casos retificando e em outros ratificando os relatos evangélicos.

Mas foi somente a partir do século XVIII, com o advento do Iluminismo, que se iniciaram os estudos mais sérios e embasados na busca da realidade histórica por trás dos Evangelhos. Pesquisadores altamente gabaritados passaram a manifestar um desejo intenso de desvendar a verdadeira história de Jesus, um certo 'rabi' revolucionário que viveu na Palestina nas primeiras décadas do século I de nossa era, - de maneira desatrelada do Cristo da fé. - Foi só a partir daí que o personagem histórico começou a ser estudado, principalmente, a partir de uma análise crítica do texto bíblico e das descobertas da arqueologia.

O pesquisador francês Ernest Renan (1823-1892) foi um dos primeiros grandes popularizadores dessa empreitada, com seu best seller Jesus (1863), no qual tentava explicar toda a história do Cristo 'racionalmente', até mesmo seus milagres. - Uma tendência retomada por certos estudiosos atuais, e que ocasionalmente acabou por trazer à tona verdadeiras 'pérolas' do cientificismo, com as mais esdrúxulas e por vezes até infantis tentativas de explicação dos milagres relatados nos Evangelhos. Um bom exemplo é o pseudo-estudo de um professor de oceanografia que há alguns anos sugeriu que Jesus não caminhou sobre as águas, mas sim andou se equilibrando sobre um pedaço de gelo que poderia, supostamente, ter se formado na superfície do Mar da Galiléia. - Desnecessário dizer que tais tentativas de racionalização se revelaram sempre inconclusivas e incompletas, para dizer o mínimo. - Tomando o exemplo em questão: imaginando que realmente ocorreu formação de gelo naquele mar (o que por si só já é uma teoria bastante controversa), e indo mais além, admitindo a hipótese ainda mais improvável de que esse gelo pudesse formar calotas tão espessas a ponto de suportar o peso de um homem adulto sobre elas, ainda assim restaria explicar, por exemplo, porque somente Jesus foi capaz de fazer isso. E por quê, na narrativa bíblica, Pedro, ao tentar segui-lo, afundou na água assim que "perdeu a sua fé"? O importante é manter em mente que, se nos dispomos a explicar cientificamente uma narrativa textual, não podemos tomar uma pequena parte ou um aspecto isolado do texto e sugerir alguma teoria baseada em suposições, ignorando todo o restante dessa mesma narrativa. Além disso, os mesmos Evangelhos nos falam de Jesus acalmando as tempestades, curando deformidades físicas apenas pelo poder da sua palavra, ressuscitando os mortos e se transfigurando, isto é, mostrando sua verdadeira forma que "brilhava mais que o sol". Como explicar coisas como essas 'cientificamente'? O que sempre se refutou não foi o questionamento dos racionalistas por si, mas sim esse tipo de atitude insensata e a incongruência desses questionamentos.

De modo geral, porém, a partir do século XX os estudos centrados no texto bíblico adotaram tons menos apaixonados, deixando um pouco de lado a batalha inicial dos racionalistas contra a fé, e passaram a uma busca legítima por elementos que permitissem reconstruir a vida e as palavras do que chamaram "Jesus histórico". As frases consideradas mais prováveis de terem sido realmente proferidas por Jesus foram reunidas e publicadas; e cada episódio de sua pregação foi estudado afim de se verificar a sua plausibilidade. Nos últimos anos, a arqueologia tem fornecido importantes aportes a esse conhecimento, e, para surpresa de muita gente, vem corroborando e/ou complementando aquilo que está nos Evangelhos. Não são poucas as novidades.


O Ossuário de Caifás




Em novembro de 1990 alguns operários que trabalhavam em uma parte da cidade antiga de Jerusalém encontraram uma caverna usada para sepultamento, que se encontrava fechada desde o ano de 70 dC., época da destruição da cidade pelos dominadores romanos. No ossuário achou-se o nome em aramaico Caiaphas, isto é, Caifás, juntamente com os ossos dos membros da sua família, ali colocados após a decomposição da carne. Ossuários eram usados por famílias judaicas de elite, e, talvez, reflitam a crença na ressurreição futura. A pesquisa aprofundada desse artefato confirmou as sensacionais expectativas que se faziam ao seu redor: foi comprovado que se tratava, verdadeiramente, da autêntica urna mortuária do sumo sacerdote Caifás, mencionado nos Evangelhos como aquele que presidiu a dois dos julgamentos de Jesus.

O ossuário é decorado com dois círculos, formados por seis rosetas cada. Mencionam-se ali diversos membros de sua família, como Miriam (Maria), Shalom (Salomé), Shimom (Simão) e Iehosef (José). Encontram-se nele os ossos de duas crianças, um menino adolescente, uma mulher adulta e um homem de cerca de 60 anos, - o próprio sumo sacerdote Caifás, referido nos Evangelhos de Mateus e João. - A tumba, relativamente simples, indica sua origem modesta, o que coincide também com a narrativa evangélica, porque Caifás teria chegado ao sumo sacerdócio graças a seu casamento com a filha de Annás, sumo sacerdote entre 6 e 15 dC.

Considerando-se as outras sepulturas de elite do mesmo local e época, chama atenção a alta mortalidade infantil: das pessoas enterradas, 40% não chegaram ao quinto ano de vida e 63% não alcançaram a adolescência(!). Outra constatação interessante, relativa à tumba de Caifás, é que, nela, uma mulher da família tinha uma moeda de Agripa (42/43 dC) na boca, refletindo o antigo costume grego ligado ao pagamento do personagem mitológico Caronte, o barqueiro encarregado de levar a alma do defunto para o mundo dos mortos. Isso demonstra o ecletismo cultural da época, que prevalecia até mesmo na família do sumo sacerdote.


A Inscrição de Pilatos

Em 1962, arqueólogos italianos encontraram, nas ruínas do teatro de Cesaréia Marítima, sede do poder romano, uma inscrição com o nome de Pôncio Pilatos. No Mediterrâneo oriental, os romanos usavam em geral a língua grega, mas a inscrição está em latim:




"Pôncio Pilatos, prefeito da Judéia, construiu este edifício em honra ao imperador Tibério."


O uso de uma língua oficial, pouco difundida na região, demonstra o caráter imperial da mensagem e também, provavelmente, a presença de uma pequena mas poderosa comunidade itálica, compondo um quadro multicultural na costa mediterrânea.

Em contraste, na aldeia de Cafarnaum, um terreno sob a custódia dos franciscanos, foram encontradas ruínas e inscrições datadas do século II dC. Os pesquisadores aventaram a séria e muito provável hipótese de que se trataria de nada menos que a casa de Pedro, na qual o próprio Jesus teria muitas vezes estado e provavelmente morado!


A Casa de Pedro


Um sítio arqueológico privilegiado, pois a Casa de Pedro era locacalizada entre o Mar da Galiléia e a Sinagoga de Cafarnaum, esta edificada pelo centurião da Cidade onde Jesus ensinou.


O nome Cafarnaum pode significar tanto 'Vila da Consolação' como 'Vila de Naum', um antigo profeta hebreu cujo livro faz parte do Antigo Testamento. Essa última opção é apoiada por uma tradição judaica que afirma que o túmulo do profeta está enterrado ali. A cidade foi descoberta por um arqueólogo norte-americano chamado Edward Robinson em 1852, mas somente foi escavada por uma equipe, liderada por Charles Wilson, em 1865 e 1866. Foi ali que Jesus dedicou a maior parte do seu ministério, realizando milagres (Mt 9:18-26; Mc 5:21-43; Lc 8:40-56), e ensinando na sinagoga local (Mc 1:21; 3:1-5; Lc 4:31; Jo 6:59).

Mas um dos achados arqueológicos mais fascinantes de Cafarnaum é a da possível casa do Apóstolo Pedro. Foi por volta de 1968 que dois outros arqueólogos, G. Orfali e A. Gassi, encontraram a estrutura de uma igreja que datava do 5º século de nossa era. Uma importante descoberta, mas que não poderia nem de longe se comparar à grande surpresa que teriam logo a seguir: logo abaixo dessa construção milenar eles encontraram os alicerces de uma casa repleta de objetos de pesca, datada da época de Jesus e seus discípulos(!). O mais emblemático dessa inestimável descoberta é que um documento chamado Itinerarium, escrito por Egéria, no 4º século, afirma que a “casa do príncipe dos apóstolos foi transformada em igreja; contudo, as paredes da casa ainda estão de pé, como eram originalmente”. Sim. Havia uma concreta e real possibilidade de que estivessem na casa de Pedro, aquele a quem foram dadas as chaves do Reino do Céu, para que tudo que ligasse na Terra fosse ligado também no Céu, conforme os versículos 17 a 19 do capítulo 16 de Mateus.


Foi construído um memorial sobre os restos da 'Casa de Pedro', como forma de proteger a estrutura do primeiro século do processo depredatório da visitação turística.


Interior do Memorial, um recinto de orações e reflexão, em cujo centro foi assentado um piso de vidro transparente que permite aos visitantes contemplar as ruínas sem contato físico.


Outra descoberta marcante em Cafarnaum foram os restos da sinagoga do 1º século. De 1905 até 1926 o sítio foi preservado e restaurado por especialistas alemães e franciscanos. Mas até então, todas as especulações apontavam para uma construção do 3º ou 4º século. Em 1968, porém, os estudos mais avançados revelaram restos de uma outra estrutura. E em 1981 um largo piso de basalto foi encontrado repleto de cerâmicas (potes, vasos, copos, etc.) do 1º século, época de Cristo. Ficou demonstrado que, sem dúvida, esses eram os escombros daquela sinagoga frequentada por Jesus, como mencionado nos Evangelhos. Foi nessa mesma sinagoga que Jesus declarou: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente” (João 6,51).

Mesmo que não possamos ter absoluta certeza quanto a chamada 'Casa de Pedro', já chamada por entusiastas de 'Endereço do Mestre', há uma grande probabilidade dessa confirmação. E podemos afirmar com certeza, isso sim, que aquela era uma casa modesta da época de Cristo, pertencente a um pescador, em uma área muito visitada por Jesus, e que desde a Antiguidade já se acreditava que era a residência do Apóstolo Pedro, o 'Pai da Igreja'. E o fato de ter sido construído um templo sobre essa antiga estrutura é uma fortíssima indicação da autenticidade do precioso achado.


O Barco de Jesus


O 'Barco de Jesus', atualmente no Museu do Pescador em Israel


A mesma aura de 'arqueologia espetacular' aparece em outros achados recentes. Em meados da década de 1980, uma longa estiagem levou ao rebaixamento do nível do Mar da Galiléia. E quando o nível da água estava mais baixo, em janeiro de 1986, dois membros do kibutz (fazenda coletiva) Ginnosar notaram que havia uma estrutura de madeira muito antiga no meio da lama. A água e a lama haviam preservado a madeira por séculos. Escavando com as mãos, perceberam se tratar de um barco de pescador(!)...

O barco, de cerca de 3 X 8 metros, abrigava em seu interior cerâmicas e lamparinas do primeiro século, datação confirmada pelo exame de carbono-14 da madeira. O uso de materiais baratos mostra a humildade dos pescadores da Galiléia que conviviam com Jesus. Seria o barco utilizado por Jesus, de dentro do qual o texto bíblico afirma que ele, entre outras tantas coisas, acalmou as tempestades? Esta é uma possibilidade real.


Restos de um judeu crucificado




Apenas os que não eram cidadãos romanos, majoritariamente os escravos ou os pobres, eram crucificados. Os romanos podiam ser condenados à morte, mas não à crucificação, uma punição considerada humilhante demais para a dignidade romana, mesmo aos criminosos. Em 1968 foi encontrada, perto de Jerusalém, em Givat Hamitvar, uma necrópole com uma tumba familiar datada do I século dC. Uma das ossadas era de um homem com cerca de 1,65m a 1,73m de altura e idade entre 24/28 anos, chamado Yohanan Ben Ha'galgol. Seu calcanhar direito havia sido perfurado por um prego de uns 10 cm. Esse prego entortou ao ser martelado na madeira dura de oliveira que servia como suporte na cruz, e ao que tudo indica seus familiares não puderam retirá-lo do osso após a morte do condenado. Desse modo, prego e madeira ainda estavam ligados ao pé do cadáver quando foi retirado.

Os restos mortais demonstram que os seus braços haviam sido amarrados à cruz, e não pregados, e que suas pernas não foram quebradas, diferente do costume. De maneira incomum, assim como no caso de Jesus, as autoridades permitiram que o corpo desse condenado fosse sepultado. Graças a esse achado muito raro, podemos confirmar que se podia pregar os crucificados à cruz com muita eficiência, e também que, ainda que excepcionalmente, era permitido sepultá-los. Acontece que nenhuma dessas duas afirmações dos Evangelhos, - o uso de pregos e o sepultamento de um condenado à crucificação, - parecia verossímil até essa descoberta arqueológica: ambas eram muito contestadas por pesquisadores céticos.


***


As pesquisas recentes trouxeram também muitas informações inéditas sobre os diversos ambientes urbanos da Palestina da época de Jesus. Cesaréia e seu porto, Sebastos, eram os mais ambiciosos e ousados projetos urbanísticos do Mediterrâneo Oriental. Graças às escavações, sabemos que a cidade portuária era um importante entreposto comercial. Por ela fluíam grãos, vinho e azeite, resultando disso um sofisticado aparelhamento urbano. Arqueólogos israelenses e americanos revelaram o traçado ortogonal das ruas e edificações, com ricas fachadas e telhados, ornamentadas por colunas, revestimentos de mármore, mosaicos e paredes decoradas com pinturas. Cosmopolita, mediterrânea, Cesaréia englobava tradições judaicas, gregas, romanas e outras, num amálgama sofisticado que reforçava as relações hierárquicas, unindo antes de tudo as elites locais e as imperiais.

Em Jerusalém, Herodes ampliou e embelezou o Templo, transformando o monte Moriá na maior plataforma monumental de todo o Império Romano. Desde o final da década de 60 a Universidade Hebraica de Jerusalém tem levado adiante escavações na colina ocidental da Cidade Velha, que dá para o monte do Templo e era habitada pela elite judaica. Uma série de mansões, anteriores à destruição da cidade pelos romanos em 70 dC, data, grosso modo, da época de Jesus. Uma das mansões, comparável às maiores do mundo romano, apresenta afrescos nas paredes semelhantes aos do segundo estilo de Pompéia. A residência ostentava ainda mosaicos no solo, cerâmica local e importada, vidros(!), lamparinas e instalações destinadas aos banhos rituais judaicos (miqvot). A descoberta revela que as casas senhoriais judaicas, preocupadas com a pureza ritual, estavam bem integradas nas modas e estilos de vida das elites romanas.

Tiberíades e Séforis eram outros núcleos urbanos importantes, habitados em sua maioria por judeus, mas mostravam também uma mescla de tradições judaicas com o helenismo romano, sempre no que se refere às elites.


Massada e Qumram

Mas nem toda a elite judaica estava compactuada com os dominantes romanos. A resistência ou recusa ao acordo pode ser avaliada por dois grandes monumentos arqueológicos; Massada e Qumram (assunto para um próximo post). A ocupação da colina de Massada por rebeldes judeus, algumas décadas depois da morte de Jesus, mostra a vitalidade da revolta nacionalista judaica. Mas a descoberta que mais causou sensação foi a do complexo de Qumram, às margens do mar Morto. Ali vivia uma comunidade de essênios que cultivava um estilo de vida austero, bem distante do cosmopolitismo das elites judaicas de Cesaréia, Jerusalém ou mesmo de Séforis.

Os essênios praticavam banhos rituais, copiavam as escrituras, com destaque para a literatura profética (neviim), e também criticavam as elites judaicas urbanas. Mas do que tudo, opunham-se à cúpula sacerdotal de Jerusalém. Embora nada indique concretamente que Jesus tenha conhecido a comunidade, a sua oposição à elite sacerdotal constitui um ponto em comum entre Qumram e o movimento sem precedentes iniciado pelo Homem de Nazaré.



Este post foi baseado num artigo do Prof° Pedro Paulo A. Furnari, Professor titular da Universidade Estadual de Campinas, pesquisador associado da Ilinois State University e da Universidad de Barcelona, e coordenador associado do Núcleo de Estudos Estratégicos da Unicamp.


Informações adicionais:

http://www.cristohistorico.hpg.ig.com.br/arq1.htm

http://www.arqueologiadabiblia.com/2009/01/o-endereo-do-mestre.html


Fontes e bibliografia:
THOMPSON, John A. A Bíblia e a Arqueologia, São Paulo: Arte Editorial, 2000;
COUTO, Sérgio Pereira. A Incrível História da Bíblia, São Paulo: Universo dos Livros, 2004;
LIBÂNIO, J. B. Igreja Contemporânea: Encontro com a Modernidade, São Paulo: Edicoes Loyola, 2000.



( Comentar este post __ Ver os últimos comentários

4 comentários:

- Mizi - disse...

Informações muito interessantes.

Valeu!

Cris disse...

Adoro arqueologia.Muito bom o post.
Acredito que um dia - espero presenciar - haverá uma descoberta fantástica , mais que essas, que já são maravilhosas, e que vai desestruturar muitos céticos.

Será que qq hora vc poderia falar desta parte:
"para que tudo que ligasse na Terra fosse ligado também no Céu".
Esse é um trecho que nunca entendi direito.Ligar quer dizer exatamente o quê?

bjos

H K Merton disse...

CRIS, esse é um assunto muito, muito longo, e também muito interessante. Na verdade, você acaba de colocar o dedo na ferida de muita gente...

Cris disse...

Então fica de sugestão para um post.
Sempre quis saber sobre isso.
beijo