Ama também a ti mesmo


Aprendemos desde cedo que amar a si mesmo é uma forma de egoísmo ou egocentrismo. A grande maioria de nós não conhece o Amor verdadeiro, que é o Amor que recebemos por sermos exatamente o que somos; o Amor que tem o poder de aquecer nossos corações e nos colocar em contato com o mais profundo de nossas almas.

Nascemos e aprendemos uma série de coisas a respeito da vida e muitas vezes deixamos que outros nos ensinem coisas a respeito de nós, - o que nem sempre é necessariamente ruim, mas às vezes as opiniões alheias ao nosso respeito passam longe do alvo, e mais atrapalham do que nos ajudam. - E o perigo maior é quando aceitamos e nos identificamos com alguma dessas opiniões equivocadas... Somente quando adultos (se de fato amadurecermos) percebemos que grande parte daquilo que aprendemos dos nossos pais, de familiares e de 'melhores amigos' era apenas o reflexo das suas próprias fantasias e frustrações.

Crescemos pressionados pela necessidade de atender a anseios que não são nossos, de cumprir funções, assumir responsabilidades e obrigações que não representam sequer uma fração daquilo que de fato somos ou do que queremos para nós. E como fazer para sobreviver a tantos padrões impostos, e a tantos recalques frustrações e angústias que assim vão surgindo? Aprendendo a sufocar nossos desejos mais caros, nossos mais belos sonhos, nossas mais acalentadas fantasias, e tudo em nome da aceitação, da sobrevivência em sociedade, da necessidade de sermos acolhidos e amados. É assim que aprendemos a respirar pouco, a não exteriorizar os nossos reais desejos, a não nos amarmos de fato.

Todos possuem marcas profundas produzidas pelo desamor. Até o dia que tudo em nós começa a adoecer. Nossos olhos perdem o brilho e nossa vontade se enfraquece. É preciso voltar a amar a si mesmo! Essa é a única cura. Mas Como fazer isso?

Amar a Deus e ao próximo são os maiores de todos os mandamentos. Nesse preceito máximo se encerra o segredo de toda a perfeição espiritual. Mas como alguém poderia ser capaz de amar qualquer coisa se não souber amar a si mesmo? Amor ao próximo e amor a si mesmo são duas faces de uma mesma moeda, são duas forças complementares que precisam estar equilibradas. Qualquer desnível, qualquer desequilíbrio nessa delicada balança, para qualquer um dos lados, provocará o caos. E sem equilíbrio ocorre a desarmonia, a doença, o sofrimento, os desencontros...

Amar a si mesmo é como uma viagem de aventuras, de descobertas gratificantes, ou pelo menos deveria ser. É uma tarefa que também se revela, muitas vezes, dolorosa, pois nesse percurso quase sempre nos deparamos com todos os limites que nós mesmos nos impusemos; - por não acreditarmos em nossas capacidades, em nosso verdadeiro potencial, por estarmos paralisados de medo de viver e de morrer.

Amar a si mesmo é muito, muito difícil, porque quase sempre esbarramos em estereótipos criados por antigas vozes dentro de nossas mentes. Nessa tentativa, às vezes desesperada, de entender e quem sabe descobrir alguma qualidade nossa que mereça admiração, olhamos no espelho. E muitas vezes encontramos somente desespero e tristeza, resultado do vazio que inventaram para nós e que chamaram de vida. - E que docilmente aceitamos.

A maioria das mulheres aprendeu durante sua história a amar seus filhos, seus maridos, seus pais, a Deus, mas nunca a si mesmas. Muitas mulheres ainda hoje buscam em si a imagem da esposa e mãe ideais, para que lhes seja permitido o Amor. Quanto aos homens, assim que nascem, aprendem que para serem honrados devem amar e sustentar suas famílias com o seu trabalho. E eles têm que ser sempre muito machos, não demonstrar emoções. O pior é que, se o fizerem, as próprias mulheres, que tanto reclamam do machismo no mundo, serão as primeiras a zombar e levantar dúvidas quanto à sua masculinidade... Muitas pessoas procuram uma solução clara e efetiva para os problemas do amor nos relacionamentos. Cada vez mais me convenço que a resposta depende do quanto cada um está disposto a amar a si mesmo.




Para embarcar na aventura de aprender a amar a si mesmo é preciso estar disposto a encarar toda sorte de batalhas interiores e, conforme nos ensina a lei da sincronicidade, os acontecimentos exteriores também. Aprenda a amar a si mesmo. Não um amor narcisista, mas o amor e o respeito profundo e suave àquilo que você é e ao Deus que vive aí dentro. Aprenda a ser amoroso consigo, a se fazer mais carinho, a se permitir fazer o que gosta de vez em quando, a se olhar como o ser sagrado que é. Você é uma fonte criadora em conexão direta com a Fonte Maior. Quando não ama a si mesmo, torna-se um mentiroso com relação ao Amor maior.

Não permita que outros façam com que você se sinta menos do que realmente é: um ser sagrado. Aprenda a se amar, sinta a energia que pulsa ao seu redor, procure observar suas reações, sentimentos e pensamentos e transforme-os, caso estejam impregnados de desamor. Esqueça tudo o que ouviu ao seu respeito e construa sua opinião própria, baseada na consciência, no auto-conhecimento e na auto percepção. Comece o dia agradecendo quem é, o que conseguiu com seus esforços. E se ainda não se sente como gostaria, pare neste exato momento de focar sua energia naquilo que não conseguiu na falta, nos buracos que a vida deixou pela ausência absoluta de amor e consciência.

Olhe sem medo para o que deseja ser e fazer, e planeje a forma com que deseja construir de fato a sua felicidade. Você já se condenou demais, pare agora de se machucar, de se auto punir, culpar. Quando você se olha e enxerga além do seu corpo físico, consegue entender que todo o Universo é feito de uma só e mesma energia, e que fazemos parte desse Todo. Nesse momento, o auto respeito e o amor próprio começam a brotar em nossas almas como uma plantinha pequena e delicada. Se regarmos todos os dias, ela crescerá, e isso será bom para todos.

Compre uma imensa tela e comece a pintar a sua nova história, hoje. Essa nova obra começará a ser criada quando você decidir arregaçar as mangas e começar a trabalhar na construção de uma nova realidade. Você só precisa acreditar que tem esse poder e se permitir, por amar a si mesmo, uma vida repleta de Paz, Amor, Saúde e Prosperidade. Por que não?

Ame-se e seja quem realmente é!


Adapatação de um texto da Dra. Helena Martins Daniel, do blog Dejo Vu.



( Comentar este post __ Ver os últimos comentários