Consciência do Sagrado

divino no despertar de todas as manhãs, aquele momento em que não sabemos bem ao certo se tudo a nossa volta é mesmo de verdade ou se de repente vamos olhar pela janela e encontrar o céu amarelo e a grama cor-de-rosa... - Ou olhar no espelho e ver uma cara desconhecida nos encarando, incrédula...

Há divino nas relações humanas.

Há divino na natureza.

Há divino na alegria e também na tristeza. Mas não em todas as alegrias e nem em todas as tristezas; algumas delas são meramente humanas. Ou melhor, pertencem ao campo daquele outro tipo de coisa que chamamos "humanidade", mas que na verdade nos afasta da nossa verdadeira natureza.

Há divino no cansaço do trabalhador.

Há divino num domingo ensolarado, e também numa segunda-feira chuvosa...

Quando temos consciência do divino na vida, todo o nosso viver se torna um Sacramento, uma linda e amorosa prática de adoração ao Sagrado.

Mantenha a consciência do Sagrado na sua vida.

Tente manter em mente o aspecto divino da sua vida, do seu ser, tente se manter consciente de quão bem aventurado você já é, hoje, AGORA, apenas por fazer parte desta Sinfonia maravilhosa que o Universo toca, e assim a música vai fluir ainda mais bela através de você. - Ou na verdade ela vai continuar fluindo tão bela como sempre foi, mas agora você vai estar desperto e atento para ouvi-la.

Quando você entender isso, quando aceitar a sua bem-aventurança, vai perceber finalmente que não precisa de tantos brinquedos, que você não precisa e nem deve viver sempre no futuro, atrás dos seus planos, dos seus "sonhos", como têm feito até agora. Vai entender que você já é perfeito, que o que você tem já é mais que suficiente, que o sofrimento reside nessa ilusão tola que nos leva a correr atrás de alguma coisa que na verdade nunca poderemos alcançar, porque essa coisa não existe, não é real, é apenas uma cilada armada, uma espécie de arapuca que pode nos tornar passarinhos na gaiola.

Alguns vivem em gaiolas de ouro, outros em gaiolas de bambu, mas todos estão igualmente vivendo presos, tristes, sem cantar, sem vibrar, sem viver. E o pior e o melhor de tudo é que estão nessa condição por opção própria.




Você já dançou na chuva?

Você já tirou a sua amada pra dançar no meio da cozinha, numa manhã de domingo, ao som da panela fervendo o molho do macarrão?

Você alguma vez já saiu a andar na rua, sem destino, apenas para apreciar a paisagem, ouvir o canto de um passarinho, ou simplesmente rir das manias de grandeza de alguns dos nossos irmãos, que andam pelas ruas ostentando suas posses, seus carros, seus corpos, seus cabelos, seus cães que são seus donos?

Você já se colocou só e quieto, e tentou ouvir o som do silêncio?

Você já beijou a testa suada e cheirando a chiclete de morango de uma criança de oito anos que te abraçava sem segundas intenções e sem nenhum interesse?

Você já brincou de pega-pega com essa criança num parque, numa tarde de folga, correu até perder o fôlego, já rolou na grama com essa criança, depois deitou de costas na grama para brincar de adivinhar formas nas nuvens? Ele vê um aquário com uma lagosta, e eu tenho que adivinhar... Quase sempre é impossível acertar, mas é divertido mesmo assim.


Receita da felicidade:

Mantenha-se consciente do sagrado, fique satisfeito com o que você é, com o que você tem, com o que você pode. Pegue todos as suas vontades, todos os planos que você tem de se tornar um "vencedor", todos os projetos para o futuro, amarre-os todos juntos e... JOGUE TUDO FORA! Depois vá e aproveite cada minuto que tiver, daqui pra frente, como o grande privilégio que é.

Veja o divino no seu chefe chato, nos que te caluniam, nas pessoas que tentam te deixar triste só para colocá-lo(a) no mesmo nível delas próprias. Cada uma dessas pessoas está cumprindo o seu papel neste plano. Olhe para elas com ternura, como quem olha um bebê que brinca na lama, se sujando todo sem saber o que está fazendo. Sorria sempre e tente ajudá-las, elas precisam de ajuda. Tente mesmo ajudá-las, com a sua palavra, com o seu testemunho da Verdade, mas, principalmente, com o seu comportamento; porque um gesto vale por mil palavras.

E o que não estiver dando para suportar, aquilo que realmente for prejudicial pra você, o que você sentir que está realmente atrapalhando a sua vida... abandone. Se o seu amigo lhe faz sentir mal, não é seu amigo, deixe-o seguir seu caminho. Se a sua namorada ou o seu namorado o contraria em tudo, se os interesses de vocês são muito diferentes o tempo todo, e isso gera aquela frustração amarga que te faz esquecer do divino e do sagrado na vida... Deixe-a! Deixe-o!

Mude tudo, mude a sua vida, volte para dentro de si, onde Deus pacientemente o espera. Esta é a Jornada, este é o Caminho. E aí você será capaz de mover as montanhas, será capaz de dar ordens à chuva e à tempestade... Mas aí, você vai achar essa coisa de "dar ordens" muito chata. Você vai achar que o grande barato é mesmo "ser um com".

Este foi o Henrique tentando dividir a felicidade da sua lua de mel com os seus amigos do blog...



PS.: O que essa criança com a boca lambuzada tem a ver? Sei lá, mas criança sempre tem a ver com tudo. A infância é a apoteose do espírito humano... Nesse momento estou mais criança do que nunca, e o que peço é que a minha vida seja uma infância eterna.



( Comentar este post