Boas Novas: bem-aventuranças

Nas postagens anteriores sobre a história de Jesus, o Cristo, nos foram apresentados o pano de fundo, as bases e o começo da saga do Ungido esperado. Descobrimos como a sua vinda foi prenunciada pelos Profetas do Antigo Testamento e precedida por grandes Sinais e Maravilhas, e como os poderes seculares da época tentaram impedir a concretização da sua Missão.

As duas primeiras partes da narrativa mostraram o começo da sua vida e as primeiras etapas desta Missão, e conhecemos os primeiros chamados a seguir o Mestre. Mais adiante, o emblemático episódio da Tentação no deserto e o primeiro Milagre, e como depois deste acontecimento, multidões começavam a notar Jesus e reconhecê-lo como um Mestre muito especial: "...o seguiam grandes multidões da Galiléia, de Decápolis, de Jerusalém, da Judéia, e dalém do Jordão" (Matheus, 4:25).

A partir deste ponto, nossa leitura deixa de ser passiva e sequencial. O nosso foco estará diretamente voltado aos ensinamentos do Cristo e nos princípios essenciais dos Evangelhos, seguidos de uma breve mas aprofundada análise deste conteúdo, que estará permanentemente aberto para o diálogo com os leitores. Começamos pelo Evangelho segundo S. Matheus. E percebo que não poderia haver momento melhor para a proposta desse diálogo, pois a sequência imediata do trecho em que paramos deságua numa das maiores pérolas da religiosidade/espiritualidade universal em todos os tempos. Talvez você já o conheça, mas o mesmo apelo que fiz no começo desta série de postagens, repito agora: procure ler como se fosse novidade. Porque é exatamente disso que se trata: Boas novas...




"E Jesus, vendo a multidão, subiu a um monte. Assentando-se, aproximaram-se dele os seus discípulos; e, abrindo a sua boca, os ensinava, dizendo:

Bem-aventurados os que têm espírito de pobre, porque deles é o Reino dos Céus;

Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados;

Bem-aventurados os mansos, porque herdarão a terra;

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão fartos;

Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia;

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus;

Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus;

Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus;

Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa.

Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso Galardão nos Céus; porque assim perseguiram os Profetas que existiram antes de vós. "



Aguardando comentários para a análise do texto, análise esta que depois se tornará a continuação da postagem. Como se vê, as publicações terão que acontecer em doses homeopáticas, pois o remédio é fortíssimo, e querer tomar uma dose grande de cada vez, fatalmente nos faria perder grande parte do seu maravilhoso efeito...



( Comentar este post