Desdobramento essencial

O post anterior, sobre o sexto princípio essencial da Cabala, resultou num desdobramento maravilhoso via Livro de Mensagens. Eu realmente não esperava que as minhas exposições propositalmente provocativas tivessem consequências tão boas. Meu amigo 'Gugu' nos trouxe uma verdadeira pérola, um comentário que resumiu e demonstrou magistralmente o cerne de uma linha do pensamento humano que muito provavelmente existe desde as nossas origens. - Uma linha filosófica/espiritualista que ganhou muitos nomes com o passar do tempo, mas cuja essência permaneceu sempre a mesma. - Eu não creio que seria capaz de fazer uma exposição mais perfeita a esse respeito, por isso vou publicar a mensagem deixada por ele na íntegra, aqui, seguida da minha réplica. Um diálogo interessante, eu diria, e acho que será uma leitura muito útil. Resolvi fazer isso porque considero realmente importante falar sobre o assunto, e sei que vai facilitar a compreensão sobre algumas das diferenças fundamentais que existem entre algumas das primeiras e principais concepções religiosas da humanidade...


Réplica de Gustavo sobre o 6° princípio essencial da Cabala

No mundo de Deus não existe pessoa sendo atingida por uma bala perdida. É claro que isso pode acontecer aqui no mundo em que vivemos - essas coisas acontecem o tempo todo, - mas eu estou falando de um outro plano, de um outro mundo. "O meu Reino não é deste mundo", e essa é uma afirmação que pode ser vivida por cada ser humano existente, porque Deus não faz concessões: Ele existe no ser de cada homem e mulher nessa face da Terra. Assim, entrar no Reino de Deus é uma questão de esforço pessoal. A pessoa precisa aprender a discernir a Realidade Espiritual em meio a essa tumultuada realidade fenomênica, que é "este mundo". E o Reino que Cristo dizia ser dele não era "deste mundo".

Se eu conseguir entrar neste Reino, isso não significa que todas as pessoas do mundo inteiro ficarão curadas, terão alimentos para comer ou que irão cessar de sofrer. Significa que o meu mundo será transformado, apenas o meu. Porque eu, você, o Mizi, a Fiat, a Cris, o Daniel
(participantes do blog)... todos nós somos uma consciência individualizada. Temos que entender isso pelo menos teoricamente. - É muito importante.

Para dar um exemplo: você está lendo este blog sobre espiritualidade e, no entanto, talvez na própria sala em que você está sentado existe um rádio ou uma televisão que poderiam lhe dar todas as formas de entrenimento: programas de humor, filmes de ação, romance, terror, comédia, etc. Mas você está aqui lendo um blog sobre espiritualidade! Pergunte a dezenas ou milhares de pessoas se alguma coisa no mundo poderia ser mais maçante, sem graça ou desinteressante do que tais assuntos.

Então, por que você gosta de estar aqui? Por que você passa o seu tempo fazendo isso? É porque você está vivendo em um mundo diferente do mundo habitual da maioria das pessoas. Talvez uma citação espiritual, um pensamento espiritual lhe dêem mais prazer do que o filme de cinema mais espetacular. E por que isso? Porque você já não está mais em um mundo onde essas coisas são a medida do seu prazer. Você deixou aquele mundo. Mas muitas pessoas ainda habitam aquele mundo. Percebe, então, que todos nós, por sermos consciências individualizadas, embora compartilhemos do mesmo planeta, todos nós vivemos em "mundos" diferentes?

E cada pessoa que habita um determinado mundo se sintoniza com outras almas, - consciências individualizadas - que também estão sintonizadas naquela mesma 'frequência de vibração'. Pessoas que habitam mundos diferentes são afastadas uma das outras pela vibração de suas próprias frequências. Uma pessoa que vive de forma a pensar que é uma coitada, que não possui significância, automaticamente se sintoniza/adentra um mundo (que estava potencialmente manifestado) em que encontrará pessoas para humilhar e pisar em cima dela. E assim por diante...

Por isso, quando uma pessoa conscientiza o "Reino que não é deste mundo"... em primeiro lugar, a maioria dos relacionamentos dela será com pessoas de mesma frequência vibratória, ou então de frenquências vibratórias parecidas, que estejam próximas uma da outra. No mundo dessas pessoas, nada de ruim acontece à elas: se há uma epidemia na cidade, ela não será infectada, pois ela bem sabe que "no mundo de Deus não existe tal coisa como epidemias". Se houver outras pessoas com quem ela entrar em contato, elas acabam sendo beneficiadas pelo fato da consciência dela ter aprendido a se elevar e habitar a Verdade. Assim, se uma das pessoas doentes entrarem em contato com ela, o Cristo que a habita irá curar (ou seja, normalizar a situação) a pessoa que estava com a epidemia. Assim, a nossa conscientização da Verdade não é capaz de mudar o mundo inteiro, pois há uma lei que respeita o livre arbítrio de cada individualidade existente. Se "B" está numa frequência mais baixa, ele possui o direito de viver o mundo dele. Então, o máximo que dá para fazer é melhorar a situação daqueles que entram em contato com a gente. É assim que funciona.

Então, é por tudo o que foi dito que é extremamente importante que as pessoas saibam quem elas realmente são. Todas as pessoas são "Filhos de Deus", elas são a Vida de Deus se expressando. E dizer isso não é blasfêmia. Se alguém aí aprendeu que Deus e o homem estão separados um do outro, então essa pessoa tem vivido no maior pecado de todos. Separar Deus de si, isso é blasfêmia; significa rejeitar Deus... é uma tremenda desconsideração.

Alguém aí já ouviu falar que Cristo ou Buda passou fome? Que eles não tinham roupas para vestir? Vamos puxar a conversa para uma época mais atual... Será que alguns iluminados do século passado passaram fome, não tinham onde morar ou viviam infelizes na miséria? Jiddu Krishnamurti, U.G. Krishnamurti, Ramana Maharshi, Osho... Todos eles foram supridos de acordo com o que necessitavam para sentirem-se bem nesse mundo. E uma curiosidade: eu li uma vez sobre a história de vida de UG Krishamurti... e esse cara, quando mais novo, passou por uma tremenda dificuldade na vida. Antes ele não tinha nem uma casa pra morar. Ele teve um caso de decepção amorosa na França, onde sua toda sua vida desmoronou, e depois disso foi viver como mendigo no país da Índia. Depois, ele teve um encontro com Ramana Maharshi, e aquele encontro modificou a vida de UG. E depois que ele conquistou a iluminação, as coisas na vida dele começaram a serem supridas como que "por milagre". Mas, na verdade, não foram nada mais do que "acréscimos" que vieram na vida dele, que buscou primeiro o Reino de Deus.

Por isso Cristo disse: "Ide e espalhai o evangelho aos quatro cantos do mundo"... porque o mundo necessita saber e tomar consciência de que "O Reino de Deus é chegado". É um ato de amor ao próximo. Espalhar o evangelho de Jesus, possibilitando assim que todas as pessoas aprendam que elas são 'Filhas de Deus', isso é um tremendo ato de amor para com o próximo. Porque aí, elas podem aprender a entrar em contato com a Vida íntima que habita a fonte, o interior de cada um de nós... e de lá retirar tudo o que é necessário para uma vida/existência feliz aqui na Terra.

A felicidade tem de ser pra já! O Reino de Deus tem de estar sendo nos oferecido agora! Porque nosso ser vive no AGORA. Não existe tal coisa como um Céu esperando por nós lá no fim de nossas vidas. Não é lá no fim que nós estamos. Nós estamos aqui. Nós nunca estaremos lá. Esse "lá" não existe. O Céu só pode estar aqui. Deus só pode estar aqui.

As coisas que Deus promete são para esta vida mesmo, que estamos vivendo. Porque não existe outra coisa, agora, senão esta vida que estamos vivendo. Por isso, todos temos direito à vivermos exatamente como gostaríamos que a vida fosse. Por exemplo: se eu possuo necessidade de viajar muito, se é isso que me faz feliz, então a providência de Deus irá me providenciar todas essas coisas. Se eu tiver muita necessidade de determinada coisa, que culpa eu tenho disso? Nenhuma, porque esses são desejos que emergem do meu ser de forma natural. É algo que faz parte da Natureza. Faz tão parte da natureza quanto o faz uma planta, uma rocha, ou uma estrela no céu. Precisamos aprender a ver todas as coisas como um Todo. Aliás, o primeiro princípio da Cabala não afirma que nós somos nossos "desejos"? Há algum mal nisso? É claro que não!

Se as necessidades de uma pessoa implicarem em muito dispêndio de dinheiro, ao passo que as de outra pessoa impliquem em gastos mais moderados... provavelmente a maioria dos homens irá olhar para a primeira pessoa e pensar "esse cara tá aí esbanjando dinheiro, enquanto tem um monte de gente por aí precisando", ou seja... É provável essa pessoa acabar sendo julgada. Não estou querendo entrar no mérito da importância de ajudar a quem esteja passando por necessidades. É claro que isso é algo muito importante. Esse conceito de ajudar os necessitados já é mais do que um consenso, todos no mundo concordam com ele. O paradigma que necessita se modificado é: cada pessoa merece passar por esta vida tendo tudo o que for necessário para ser feliz. E que outra forma de felicidade existe senão o saciamento dos nossos desejos? Sim, a Cabala está certa: Somos os nossos desejos. E a felicidade só vem quando conseguimos torná-los realidade, os experimentarmos e finalmente nos tornarmos saciados.

E a Luz de Deus, que é infinita, ilimitada, possui o suficiente para saciar cada um dos Filhos de Deus. Lembrem-se: "É do meu agrado dar-vos o Reino". Isso é do agrado de Deus... porque Deus tem tanto, mas tanto!!! Que a natureza deEle não poderia ser outra senão doar. Assim, pensem no tanto que Deus fica feliz quando nós permitimos que ele se doe a nós! Ele deve sentir uma tremenda realização, quando isso acontece.

Nós estamos aqui para recebermos as dádivas de Deus e compartilhá-las com os outros. Sim, além de recebermos, também temos a necessidade de cumprir o papel de doadores... porque Deus está em nós. Nosso ser também possui a mesma natureza de Deus. Deus é doador. Nós somos receptores e doadores. Como Deus só pode doar... ele criou a gente pra podermos receber dEle. Essa foi a única alternativa que Ele tinha, visto que essa era a única coisa que lhe "faltava". Em princípio, o nosso receber está relacionado à Deus, mas também está relacionado às outras pessoas. Deus dá sua Luz, e nós, que também temos a necessidade de doar, compartilhamos a Sua luz com os outros. No fundo, no fundo, é Deus doa para si mesmo e recebe de si mesmo. Então, todas essas coisas... é tudo devido à Deus. Afinal, só há Deus! Tudo o que existe é para a glória de Deus!




Como eu havia dito, uma explanação muito bem feita. Sou grato por este blog ter atraído mentes assim. Vamos agora à minha resposta:



Resposta de H K Merton

As diferenças entre a minha e a sua visão nunca ficaram tão claras como agora. E isso é muito bom, porque assim podemos dialogar respeitosamente e aprendermos um com o outro, já que somos amigos. Esta é uma oportunidade rara, porque geralmente as pessoas que têm crenças diferentes, quando se põem a discuti-las, acabam se desentendendo... Graças a Deus, creio que já passamos dessa fase, então podemos confrontar nossas diferentes interpretações sem receios. Digo isso porque já aconteceu comigo de perder um amigo por causa de um debate de idéias, o que me deixou perplexo.

Isso posto, vamos lá, como dizia Paulo Apóstolo, "combater o bom combate"...

Com a primeira parte do seu comentário, eu concordo 100%. Eu concordo que no Mundo Divino não existem acidentes nem tragédias, nem doença inesperada nem balas perdidas... Nem nada parecido com isso. Concordo que no mundo em que vivemos essas coisas existem, mas não no Reino de Deus. A minha fé é essa também. Mas (o problema é sempre o 'mas'...)...

Nós estamos, todos nós, aqui e agora, neste mundo falho, limitado e duro! Nós todos vivemos aqui, esta é a nossa realidade objetiva, e não há como fugir disso! Nós não podemos e nem devemos fingir que ela não exista, que não seja como é. Isso seria alienação. - Se cremos em Deus, temos que crer também que estamos aqui por determinação dessa Força maior, a Perfeição absoluta que criou a vida e todo o Universo, com todas as suas galáxias, todos os seus sóis, planetas e estrelas, todos os planos e dimensões que conhecemos e que não conhecemos... E então, se acreditamos que estamos aqui, sujeitos a tantas limitações e dificuldades, por determinação dessa Força Eterna e Perfeita, temos que acreditar, também, que é por uma boa razão!

Se temos que enfrentar obstáculos, há um motivo e um propósito para isso. - Se fosse para vivermos as nossas vidas numa espécie de 'esfera de bem aventurança', eternamente felizes, pairando alheios a toda dor e sofrimento do mundo, como que gravitando num mundo à parte e sem nunca termos que passar por dificuldades, nós não estaríamos aqui! Teríamos ficado no lugar de onde viemos, se é que acreditamos que viemos de Deus.

Quando você diz que os que se interessam por espiritualidade, por exemplo (que são diferentes dos que buscam somente coisas vãs, fúteis ou perversas), vivem como que num "mundo à parte" só seu, atraindo coisas e pessoas semelhantes a eles mesmos... Sim, isso é verdade, e eu concordo que essas pessoas se encontram numa espécie de "nível vibratório" diferente. E, sim, eu também concordo que algumas pessoas têm o Reino de Deus dentro delas, como disse o Mestre: "O Reino está dentro de vós". Concordo mais uma vez, quando você diz que somos consciências individualizadas. Sem dúvida, cada um é um. Por isso, aquilo que eu chamo de Busca, que é a mesma coisa que você chamou de "esforço pessoal para entrar no Reino de Deus", só pode ser individual. A jornada do buscador (que como eu já falei aqui, é uma viagem ao interior de si mesmo) só pode ser solitária. É algo individual, é entre você e você mesmo e entre você e Deus.

Mas isso não significa que essas pessoas, as que estão mais próximas do Reino (e mesmo as que já vivem no Reino) vivam num mundo particular perfeito e maravilhoso onde "nada de ruim acontece a elas"... Isso não quer dizer que não fiquem doentes, como você disse, que não sofram... Há um post muito interessante, escrito por uma das mentes mais geniais do blogverso, no "O Franco Atirador", que fala exatamente sobre isso. Eu já o publiquei no meu outro blog, e seria muito interessante que você o lesse na íntegra, para que ficasse bem claro a que estou me referindo. - Esse texto realmente tem tudo a ver com a nossa conversa. - O tipo de discurso do autor não é muito a "minha cara", soa desrespeitoso e eu não curto essa forma de expressão, mas o sentido é totalmente verdadeiro. O título do post é "O Buda morreu cagando sangue"... (Eu falei que soava desrespeitoso...).

Você perguntou: "Alguém aí já ouviu falar que Cristo ou Buda passou fome? Que eles não tinham roupas para vestir? Vamos puxar a conversa para uma época mais atual... Será que alguns iluminados do século passado passaram fome, não tinham onde morar ou viviam infelizes na miséria?" - Eu respondo: Sem dúvida!! Cristo passou todo tipo de dificuldades básicas, ele viveu como um andarilho e até passou fome, muita fome, tanto que foi tentado a usar o seu poder para transformar pedras em pães! E ele respondeu, em outras palavras, que não tinha vindo até aqui para converter pedras em pães, mas sim para cumprir a sua missão até o fim, ainda que fosse difícil! Captou a mensagem? No fim ele morreu da forma mais terrível que existia na sua época (ou em qualquer outra época, provavelmente), espancado, flagelado, espancado novamente e depois crucificado!!..

Quanto ao post que citei acima, pois bem, é a pura verdade: o Buda morreu defecando sangue, vítima de uma terrível hemorragia nos intestinos, depois de comer carne estragada, num banquete oferecido por um rei. E durante toda a sua vida ele também passou fome, sim, e muita, e se vestiu sempre como um mendigo. E já que você citou J. Krishnamurti, ele morreu canceroso, assim como o próprio Ramana, que você também citou! Shri Yukteswar, outro exemplo, o guru e mestre de Yogananda, considerado um ser iluminado, morreu de um tumor avançado nas costas, que por falta de tratamento médico acabou levando à falência de diversos órgãos internos. Quanto ao Osho, que você incluiu no rol de "iluminados" (eu não concordo em chamá-lo de 'iluminado', você sabe porquê...), ele morreu aidético!

Veja, eu não estou falando de uma opinião, seja a minha própria ou a de alguém; não se trata do que eu acho ou imagino. Estou citando fatos. - A pura realidade objetiva do mundo, este mundo em que vivemos.

Mas, dirá você, tudo isso não desaparece quando se alcança o objetivo? A consciência liberta do ego não deixa para trás todas as limitações humanas? Os filhos de Deus não vivem em eterna paz, saúde, prosperidade e bem aventurança? E eu respondo: NÃO! É um erro supor que a iluminação conduz alguém além da humanidade. Quando muito, ocorre exatamente o contrário. O iluminado é alguém que realizou plenamente a humanidade e que desenvolveu todo o potencial humano que normalmente fica entravado em nós pelas restrições que o ego impõe.

A diferença é que viver no Reino de Deus, aqui mesmo na Terra, faz com que você não se importe mais. Seu ego está aniquilado. Seus desejos, como eu falei no post, são o Desejo de Deus. A Cabala está certa, sim, quando afirma que somos nossos desejos. É exatamente por isso que a mesma Cabala declara que o seu objetivo final é propiciar aos seres humanos o alinhamento dos seus desejos à Vontade de D'us. E a própria Cabala ensina também que esta é a verdadeira realização do homem.

Isso é o contrário de dizer que, para quem escolheu o Reino, a vida vai ser apenas alegria e sucessos, prazeres e riquezas. - Esta, aliás, é exatamente a mensagem da nova "indústria da fé" representada por Edir Macedo e Cia Ltda... - Mas o Caminho do Cristo é uma outra coisa completamente diferente, é o Caminho da Cruz. E se você pensar, o Caminho de Buda e o de todos os santos e sábios que já viveram aqui foi o Caminho da Cruz, isto é, o Caminho da renúncia do mundo, da abdicação de tudo que é fugaz e transitório, em nome da Verdade e da Vida verdadeira.

Outra coisa importante a ser esclarecida é que Jesus nunca disse que "todos são filhos de Deus". O que ele disse foi que veio "buscar os seus". Ele também mencionou várias vezes o "príncipe deste mundo", Satanás (conforme João 12:31; 14:30; 16:11; 1ª João 5:19; Efésios 6:12), que também é mencionado pela Cabala. - Claro que isto poderia ser entendido de diversas maneiras, inclusive metaforicamente, e nunca houve consenso a respeito da natureza do mal, assunto que nós já discutimos aqui neste blog mesmo. Mas o ponto importante, nesse caso, é reconhecermos que Jesus afirmou que Bem e Mal existem. Que aqui neste nosso plano atuam forças da Luz e forças das Trevas. Ao ser traído, antes de ser levado pelos guardas, ele afirmou: "Esta é a vossa hora e o poder das trevas" (conforme Lucas 22:52 - 53 ). Entenda bem que eu não estou querendo que você (ou qualquer pessoa) aceite ou concorde com isso. Estou apenas deixando alguns dados concretos: 1) Jesus afirmou que há o Bem e que há também o Mal; 2) afirmou que há alguns neste mundo que lhe pertencem e outros que não, 3) disse que o seu Caminho é um Caminho estreito, seguido por poucos. 4) Ele nunca afirmou que "somos todos filhos de Deus e que por isso podemos ter tudo que quisermos e sermos felizes para sempre neste mundo", nem nada parecido com isso. A partir daí, cabe a cada um de nós tirar conclusões, aceitar ou não o que ele disse.

Mas o que ele disse, disse, e foi bem claro. Não podemos colocar palavras em sua boca para defender um conceito, como fazem muitas religiões de hoje, incluindo aí a Seicho-No-Ie, de onde claramente derivam as suas idéias.

Eu sei que tudo isso parece muito trágico e muito triste, pensar que temos que abandonar tudo em nome de algo que nós nem sabemos direito o que é... E não ter nada de palpável em troca! Mas aí vai o verdadeiro 'Segredo': isso é apenas o que parece à primeira vista! A verdadeira espiritualidade não é assim. Você falou em ser suprido por Deus ou pelo Universo, em ter as suas necessidades atendidas... Nesse momento, eu sou obrigado a deixar o meu testemunho e dizer que essa é a descrição da minha própria vida! Se eu fosse publicar aqui no blog a cada vez que sou abençoado materialmente, seja nas minhas necessidades imediatas ou mesmo em pequenos luxos... Não sobraria espaço pra mais nada!

Eu tenho e sempre tive tudo de que precisei e muito mais, mesmo tendo abandonado tudo em nome da Busca (eu já contei a história toda, na primeira fase deste blog). Lembro-me de que quando 'nos conhecemos', você disse ter ficado com a impressão de que eu me sentia um "iluminado", um "escolhido"... Pois eu digo que é difícil não me sentir assim, às vezes, com tantas maravilhas que acontecem na minha vida!! Sinto a presença de Deus muito, muito próxima, com frequência, no meu dia-a-dia, a ponto de já não me surpreender mais! Mas todas essas satisfações e prazeres, essas alegrias ao longo do Caminho, são apenas detalhes, são consequências, e com cada indivíduo as coisas acontecem de um jeito. E, muito importante: tudo flui a partir do momento em que aceitamos que as dificuldades fazem parte desta vida. De fato, segundo muitos dos maiores místicos que já existiram, é para isso que estamos aqui, para atravessar obstáculos, já que sem eles não há aprendizado. Porém Deus conhece as necessidades de cada um, e nunca nos dá uma carga maior do que possamos suportar. O Caminho é estreito, mas o fardo é leve e o jugo suave. - Bem vindo à Verdade, bem vindo ao mundo dos paradoxos, onde o que parece ser não é, e o que realmente é não parece.

Se alguém pensou que o grande segredo está em atrair coisas boas com a mente, como diz a nova moda vigente no mundinho das ilusões, esqueça. O Segredo real é que a verdadeira riqueza está na renúncia, a alegria e a felicidade perfeitas estão naquilo que à primeira vista pode parecer indesejável e a verdadeira Vida está na morte aparente.



Como eu disse, nesse diálogo foram expostas duas escolas espiritualistas diferentes e importantes na História. Ambas têm validade a título de estudo, mas nenhuma das duas terá qualquer importância para o buscador se ele não pedir primeiro por orientação divina, e se depois não olhar atentamente para dentro de si mesmo. Espero que cada um que venha a ler esta postagem possa avançar na compreensão dessas questões fundamentais na Trilha Espiritual. Muito obrigado, Gustavo. Muito obrigado a todos.