Rabino Yitzhak Kaduri revela o nome do Messias


O rabi Yitzhak Kaduri, um dos mais antigos e venerados cabalistas judeus, faleceu num sábado (shabat), em 28/01/2007, em Jerusalém. Vítima de pneumonia, ele estava com uma idade estimada entre 104 e 106 anos, segundo fontes médicas. O rabino permaneceu hospitalizado por duas semanas no hospital Bikur Holim, situado nas imediações do bairro ultra-ortodoxo de Mea Shearim de Jerusalém.

Quem era Yitzhak Kaduri? - Segundo fontes tradicionais, Rabino Kaduri teria nascido em 1897 no Iraque; teria, portanto, 109 anos de idade quando faleceu. Aos 13 anos começou seus estudos em Bagdá. Rabino Ben Ish Chai proferiu uma bênção de longevidade sobre Kaduri, que obviamente veio a se concretizar. Aos 16 anos, Kaduri já era considerado uma autoridade em Torá entre os Rabinos de Bagdá. Rebe Lubavitcher afirmou que a influência de Kaduri seria mundial, afetaria todo o globo terrestre. Kaduri se preocupava verdadeiramente com as pessoas, inclusive até bem perto da sua morte. Além de importante mestre religioso e considerado um dos maiores "mekubalim" da história do misticismo judaico, rabino Kaduri esteve por várias vezes envolvido com a causa política, o futuro de Israel e o bem estar do povo israelita em sua própria terra. Em um dos seus últimos pronunciamentos, feito em 2005, ele falou sobre a chegada do Mashiach (Messias) e a era de Luz, Paz e Justiça que, a partir de então, envolverá todo o nosso planeta.

A fama do rabino Yitzhak Kaduri influenciou as comunidades judaicas do mundo inteiro. Ele era um profundo conhecedor da Cabala, o conjunto das doutrinas e preceitos do misticismo judaico. Segundo a tradição judaica, a Cabala é tão complicada e perigosa que só judeus com mais de 40 anos têm acesso a ela. Kaduri sempre se opôs publicamente ao estudo da Cabala por não-judeus e se envolveu num incidente com a popstar Madonna, quando declarou que "a Cabala não é moda", após Madonna afirmar que a estava praticando...

Originário do Iraque, Kaduri chegou muito jovem à Palestina do Mandato Britânico, onde, na sequência de estudos em diversas escolas talmudistas se impôs como grande mestre. Nunca publicou uma obra, mas era conhecido pelo seu imenso saber no domínio místico judaico. Adepto de uma vida austera, viveu muito tempo do seu ofício de encadernador. O único luxo que lhe foi conhecido, nos últimos anos, era o de fumar cigarros estrangeiros.

No universo da Cabalá, era considerado autoridade suprema. Para o mundo judaico, suas previsões eram um alerta, seus conselhos e bênçãos, um alento para os doentes, pobres e desamparados. A população atribuía-lhe o poder de realizar milagres, especialmente a cura de doentes. Os fiéis tocavam na sua porta para obter benesses. A fama do rabi era tão grande que o magnetismo exercido por ele nos meios tradicionalistas e religiosos foi explorado com sucesso pelo partido ultra-ortodoxo nas eleições israelenses de 1996. Depois, o rabi fundou a sua própria formação política para disputar as eleições legislativas de janeiro de 2003, tendo percorrido Israel em campanha eleitoral num veículo semelhante ao papamóvel.

Dezenas de milhares de judeus ortodoxos acompanharam seu cortejo fúnebre numa última homenagem.

........................................

"Pouco tempo antes de sua morte, o renomado rabino Yitzhak Kaduri escreveu uma nota na qual revelou o nome do Messias." - do noticiário Israel Today

Poucos meses antes de morrer, o mais proeminente rabino da nação israelita, Yitzhak Kaduri, escreveu o nome do Messias em uma pequena nota que ele havia pedido que permanecesse selada até agora (10/2007). Quando a nota foi aberta, para espanto de uns e maravilha de outros, revelou o que muitos têm afirmado por séculos: Yehoshua, ou Yeshua (Jesus), é o Messias.

Com o nome bíblico de Jesus, o Rabino e Cabalista descreveu o Messias usando seis palavras e dando pistas de que as letras iniciais formam o nome do Messias. – A nota secreta dizia:

"Quanto às letras da abreviação do nome do Messias, Ele erguerá o povo e provará que sua palavra e lei são válidas.

Esta eu assinei no mês da graça,

Yitzhak Kaduri"


A sentença hebraica (traduzida acima) com o nome do Messias oculto é: Yarim Ha’Am Veyokhiakh Shedvaro Vetorato Omdim

As iniciais das palavras formam o nome hebraico de Jesus, Yehoshua. Yehoshua e Yeshua são o mesmo nome, derivado da mesma raiz hebraica da palavra “salvação” como documentado nos livros bíblicos de Zacarias 6:11 e de Esdras 3:2. O mesmo sacerdote escreve em Esdras, “Yeshua filho de Yozadak” enquanto escreve em Zacarias “Yehoshua filho de Yohozadak”. O Sacerdote inclui a abreviação sagrada do nome de Deus, HO, no nome do pai Yozadak e no nome Yeshua.

Com um dos mais proeminentes rabinos de Israel indicando que o nome do Messias é Yeshua, pode-se entender por que o seu último desejo foi esperar quase um ano após a sua morte antes de revelar o que escreveu.

Quando o nome Yehoshua apareceu na mensagem de Kaduri, Judeus ultra-Ortodoxos de seu Nahalat Yitzhak Yeshiva (seminário) em Jerusalém contra-argumentaram dizendo que seu mestre não deixou a exata solução para decodificar o nome do Messias (porque será que eu não me surpreendo com essa reação?).

A revelação recebeu pouca cobertura da mídia Israelense (porque será que eu não me surpreendo com essa reação? #2). Somente os websites hebraicos News First Class (NFC) e Kaduri.net mencionaram a nota sobre o Messias, insistindo que era autêntica. O diário Hebraico Ma’ariv publicou a história sobre a nota mas a descreveu como forjada (porque será que eu não me surpreendo com essa reação? #3).

Leitores Judeus responderam nos forums do website com uma mistura de sentimentos: “Então isso significa que o Rabino Kaduri era Cristão?” e “Os Cristãos estão dançando e celebrando”, estavam entre os comentários, mostrando que não entenderam absolutamente a importância do que estava acontecendo.

O Israel Today falou de dois seguidores de Kaduri em Jerusalém que admitiram que a nota era autêntica, mas confusa para os seus seguidores também. “Não fazemos idéia de como o Rabino chegou a esse nome do Messias”, um deles disse.

Outros negam completamente que a nota seja autêntica. Entre estes, o filho de Yitzhak, o também rabino David Kaduri.

O retrato do Messias, por Kaduri - Poucos meses antes de Kaduri morrer, ele surpreendeu seus seguidores quando lhes disse que havia se encontrado com o Messias. Kaduri deu uma mensagem em sua sinagoga no Yom Kippur, O Dia do Perdão, ensinando como reconhecer o Messias. Ele também mencionou que o Messias apareceria para Israel depois da morte de Ariel Sharon (o ex primeiro ministro ainda está em coma depois de sofrer um derrame maciço no ano de 2005 - saiba mais aqui).

Sobre o aparecimento do Messias, outros rabinos predisseram o mesmo, inclusive o Rabino Haim Cohen, o cabalista Nir Bem Artzi e a esposa do Rabino Haim Kneiveskzy.

O neto de Kaduri, rabino Yosef Kaduri, disse que seu avô falou muitas vezes durante seus últimos dias sobre a vinda do Messias e a redenção através do Messias.

Seus retratos espirituais do Messias – reminiscências dos relatos do Novo Testamento – foram publicados nos websites Kaduri.net e NFC:

“É difícil para muitas pessoas boas na sociedade entender a pessoa do Messias. A liderança e ordem do Messias de carne e osso é difícil de aceitar para muitos na nossa nação. Como líder, o Messias não terá escritório, mas estará entre o povo e usará a mídia para se comunicar. Seu reino será puro e sem desejo pessoal ou político. Durante seu domínio, somente a justiça e a verdade reinarão."

“Crerão todos no Messias logo de uma vez? Não, no começo alguns de nós creremos nele e alguns não. Será mais fácil para as pessoas não religiosas seguirem o Messias do que para pessoas Ortodoxas."

“A revelação do Messias será cumprida em dois estágios: Primeiro, ele ativamente confirmará sua posição como Messias
(...). Então ele se revelará para alguns Judeus, não necessariamente para os sábios estudiosos da Torah. Poderão até mesmo ser pessoas simples. Somente então ele se revelará para toda a nação. – As pessoas irão pensar e dizer: ’O quê, este é o Messias?’ Muitos têm conhecido o seu nome mas não têm crido que ele é o Messias.


O Rabino Yitzhak era conhecido por sua memória fotográfica e sua memorização da Torá, do Talmud, do Rashi e outras escrituras Judaicas. Ele conhecia os sábios e as celebridades Judaicas do último século e os rabinos que viviam na Terra Santa. Ele foi um dos grandes responsáveis pela manutenção da fé entre os judeus antes de o Estado de Israel nascer.

Kaduri não era somente grandemente estimado por causa de seus mais de 100 anos de idade. Ele era carismático e sábio, e os principais rabinos procuravam por ele como a um "Tsadik", um homem justo ou santo. Ele dava conselhos e bênçãos a todos os que pediam. – Milhares o visitavam para pedir conselhos e cura. Seus seguidores falam de muitos milagres e seus alunos dizem que ele predisse muitos desastres.

Quando morreu, mais de 200.000 pessoas se uniram ao cortejo fúnebre nas ruas de Jerusalém para prestar seus respeitos.

“Quando ele vier, o Messias resgatará Jerusalém das religiões estrangeiras que querem dominar a cidade”, disse uma vez Kaduri. “Eles não terão sucesso pois lutarão um contra o outro.”

É importante salientar que o site oficial de Kaduri, supervisionado pelo próprio, mencionou a nota do Messias, o que ratifica a veracidade do fato, independente de como interpretemos as suas palavras. O filho David Kaduri, de 80 anos, reagiu à notícia da confirmação da existência da nota pelo Israel Today da seguinte maneira: “Oh não! Isso é blasfêmia. O povo poderia entender que meu pai apontou para ele (o Messias dos Cristãos).”...

Entretanto, o mesmo David Kaduri confirmou que em seu último ano, seu pai havia falado e sonhado quase que exclusivamente sobre o Messias e sua vinda. “Meu pai se encontrou com o Messias em uma visão”, ele disse, “e nos disse que ele viria em breve”.

O Israel Today recebeu acesso a muitos dos manuscritos do rabino, escritos por sua própria mão para uso exclusivo de seus alunos. O mais marcante foram os símbolos em forma de cruz pintados por Kaduri em todas as páginas. Na tradição Judaica não se usam cruzes, um símbolo praticamente proibido. De fato, até mesmo o uso do sinal de adição é desencorajado porque pode ser confundido com uma cruz!

Mas lá estavam elas, gravadas pelas próprias mãos do rabino. Quando perguntamos (repórteres do Israel Today) o que significavam aqueles símbolos, David Kaduri disse que eram “sinais do anjo”. Ainda mais pressionado sobre o significado dos “sinais do anjo”, ele finalmente admitiu que não fazia idéia. O Rabino David Kaduri continuou explicando que somente seu pai havia tido uma relação espiritual com Deus e se encontrara com o Messias em seus sonhos.

Judeus Ortodoxos ao redor do Nahalat Yitzhak Yeshiva em Jerusalém disseram ao Israel Today, poucas semanas depois, que a história sobre a nota secreta do Rabino Kaduri jamais deveria ter vindo a público, e que ela denegrira o nome do reverenciado sábio.


Breve descrição do Messias segundo o judaísmo e as contestações ortodoxas quanto a Jesus como Cristo - por "Or" (judeu praticante)

"Se você tem uma dúvida sobre metabolismo, não perguntaria a um carpinteiro – mas sim a um médico. Se possui uma questão sobre uma lei específica, procuraria se informar com um advogado; melhor ainda, poderia perguntar ao político que a propôs e a transformou em lei.

Assim é com 'o Messias': a palavra "messias" vem do conceito judaico de Mashiach, ou 'o ungido.' Desta forma, o judaísmo tem primazia para dizer o que realmente significa 'o Messias'.

Mashiach e a Era de Mashiach são pedras fundamentais do judaísmo. A filosofia judaica declara que o Divino Plano de D’us para a Criação será realizado com o advento da Era de Mashiach. Os Profetas estão repletos de referências e descrições do indivíduo que será Mashiach, e de como será o mundo após a mudança que ele introduzirá.

1 – Ele será um descendente do grande Rei David.

2 – Ele será um indivíduo excepcionalmente justo e preeminente erudito de Torá.

3 – Ele inspirará a todos a retornar sinceramente a D’us.

4 – Ele será um líder muito carismático e poderoso que liderará pelo exemplo.

5 – Ele terá aquilo que é conhecido como uma alma 'coletiva' ou 'geral.' Esta alma mestre possibilitará a ele relacionar-se com pessoas de todos os níveis.

6 – Ele exigirá e conseguirá grandeza de toda a humanidade.

7 – Ele fará acontecer aquilo que é descrito como a 'Reunião dos Exílios' – o retorno de todos os judeus à Terra Santa, Israel.

8 – Ele reconstruirá o Templo Sagrado.

9 – Ele será um Ser Humano – não uma divindade.

A Era Messiânica é descrita nos Profetas como sendo um tempo de paz universal. Não haverá mais sofrimento humano, pois todas as doenças serão erradicadas, bem como a fome e outros problemas. O povo judeu retornará em massa à Terra Prometida, e reconstruirá o Terceiro e definitivo Templo Sagrado em Jerusalém. O propósito de todos estes eventos mágicos é permitir que a humanidade se concentre, sem distração, na completa espiritualidade."

***

Comentário: Bom, eu tenho que dizer que, quanto mais ouço esses argumentos, mais me espanto com a negação de Jesus como possível Messias ou Cristo. Vejamos se Jesus realmente não poderia ser o Messias segundo a tradição, isto é, se ele cumpre ou não as exigências citadas, que são sempre as mesmas:

1 - Descendente do rei David. - Cumprido.

2 – Será um indivíduo excepcionalmente justo e erudito de Torá. - Cumprido. Ainda criança, Jesus espantou os doutores da Lei na sinagoga, ensinando com autoridade nunca vista.

3 – Ele inspirará a todos a retornar sinceramente a D’us. - Cumprido. O fato de nem todos terem retornado a Deus não anula o fato de que ele inspirou, sim, o mundo inteiro a esse retorno. Sua palavra permanece, mesmo após 2000 anos, como um chamado de retorno à Casa do Pai.

4 – Ele será um líder muito carismático e poderoso que liderará pelo exemplo. Mais que cumprido.

5 – Ele terá aquilo que é conhecido como uma alma "coletiva" ou "geral." Esta alma mestre possibilitará a ele relacionar-se com pessoas de todos os níveis. - Mais que cumprido. Até mesmo soldados romanos pediam pela sua ajuda. "Senhor, eu não sou digno que entreis em minha morada, mas dizei uma palavra e o meu servo será salvo" (Matheus, 8:8), disse a ele o centurião. Isso seria um evento completamente improvável, para dizer o mínimo, na Israel ocupada e cheia de preconceito, de ambos os lados, do I século.

6 – Ele exigirá e conseguirá grandeza de toda a humanidade. - Cumprido, em parte. A parte sobre exigir grandeza sem dúvida foi cumprida. Quanto a conseguir essa grandeza de toda a humanidade, isto se dará, segundo a profecia, na consumação dos tempos. Que ainda não chegou, certo?

7 - Ele fará acontecer aquilo que é descrito como "a Reunião dos Exílios" – o retorno de todos os judeus à Terra Santa, Israel. - Isso também deverá acontecer no dia da consumação dos tempos. Portanto, Jesus não pode ser excluído como Messias por essa razão.

8 – Ele reconstruirá o Templo Sagrado. - Cumprido! Sim! Aí está o grande ponto de discórdia. Os judeus ortodoxos teimam em compreender esta profecia ao pé da letra. O próprio Jesus Cristo ensinou que o Templo Sagrado não é uma edificação feita de pedra, mas que o verdadeiro Templo é constituído pelos nossos corpos, que devem ser tornados como templos para o Espírito do Deus Uno. Aceitar e entender isso depende de uma abertura de consciência, que é gradual, para toda a humanidade. Infelizmente essa noção ainda está longe de ser compreendida por todos, mas eu acredito plenamente que continuamos evoluindo em direção a essa expansão consciencial que nos permitirá ver além das aparências e da literalidade do texto.

9 – Ele será um humano e não uma divindade. - Cumprido, ora! Este é outro ponto de discórdia, a meu ver, inútil. Como foi que Jesus veio ao mundo? Como Deus? Não! Ele veio como um homem, viveu como um homem e morreu como um homem. Quanto ao seu caráter divino, esta é uma questão puramente teológica. Negar a possibilidade de Jesus ser o messias por causa disso, é o mesmo que reconhecer que ele era de fato Deus! Completo contracenso: "Jesus não poderia ser o Messias porque ele era Deus, e está escrito que o Messias seria humano". Se alguém não acredita em Jesus como divindade, mais um motivo para admitir a possibilidade de Jesus ser o Messias. Claro como água.


Fontes e referência:
Israel Today
Mídia Judaica
Revista "Morashá"