Somos macacos?

Talvez você já conheça o vídeo abaixo. Ele fez um grande sucesso em todo o mundo, ganhou prêmios e etc.




No Youtube é fácil encontrá-lo sob legendas como "A Verdadeira História da Humanidade" - sempre acompanhado de comentários do tipo: "Totalmente realista!" e "Acho que os macacos ficarão ofendidos"...

Transcrevo abaixo uma notícia veiculada há alguns anos pela BBC Internacional:

"A ciência genética moderna oferece aos pesquisadores uma nova ferramenta — baseada na semelhança do DNA — para estabelecer a relação entre as espécies, o que pode revolucionar a maneira como vemos o mundo. Uma recente pesquisa mostra que o chimpanzé é tão próximo do homem, geneticamente, que deveria ser incluído no mesmo gênero a que pertence o ser humano.

O chimpanzé está tão próximo do homem geneticamente que deveria ser incluído no mesmo gênero a que pertence o ser humano.

O chimpanzé está geneticamente mais próximo do homem do que do gorila ou outros símios. Por isso, ele deveria ser incluído no mesmo gênero a que pertence a espécie humana. É isso que sugere uma equipe de cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual de Wayne, em Detroit (EUA). Esses pesquisadores afirmam que acima de 99,4% do código genético do homem é igual ao do chimpanzé e, portanto, este, juntamente com outros primatas — como o bonobo (conhecido como chimpanzé-anão) —, deveria fazer parte do gênero Homo — o grupo taxonômico do reino animal do qual o homem faz parte.

'O que nós mostramos é que o chimpanzé está mais próximo do homem do que de qualquer outro macaco', disse Derek Wildman — co-autor do estudo divulgado pela respeitadíssima publicação 'Proceedings of the National Academy of Sciences' (PNAS) — à rede inglesa BBC.

Em seu trabalho, a equipe propôs que o ser humano e o chimpanzé sejam considerados ramos de um mesmo gênero, devido a suas similaridades. A espécie humana, Homo sapiens, é a única do gênero Homo ainda presente na Terra. Outras, como o Homo neanderthalensis (ou 'Homem de Neanderthal'), foram extintas ou assimiladas pelo homem moderno.

A equipe de Detroit defende a idéia de que todos os primatas devam ocupar o grupo Hominidae e que três espécies sejam classificadas sob o gênero Homo: Homo sapiens, o homem; Homo (Pan) troglodytes, o chimpanzé comum; e Homo (Pan) paniscus, o bonobo."



O site Educacional.Com comenta a notícia:

"A genética nem precisava ter constatado essa proximidade, pois são evidentes as semelhanças morfológicas entre os seres humanos e os chimpanzés. Basta olhar um desses símios para perceber como eles se parecem conosco, principalmente quando jovens. (...) Com base nas recentes descobertas da genética com relação às semelhanças entre nossos genes e os do chimpanzé, fica difícil negar nosso parentesco com esse animal. Há pessoas que pensam, inclusive, em mudar a classificação biológica do chimpanzé, incluindo-o no gênero Homo, da família dos hominídeos, da qual, atualmente, somos os únicos representantes vivos. Portanto, os chimpanzés são tão evoluídos quanto nós. (...) As recentes descobertas sobre a semelhança genética entre nós e os chimpanzés vêm fortalecer ainda mais a idéia de preservação desses animais, não só pelo patrimônio genético que eles carregam, mas principalmente porque são extraordinariamente inteligentes e podem fazer com que sejamos conscientes de nossa arrogância ao nos considerarmos seres superiores neste planeta."

.....................................


Então somos arrogantes por nos considerarmos superiores aos macacos?..

Vejo cada vez mais gente sustentando a idéia de que nós, seres humanos, não somos especiais, que somos apenas animais iguais a quaisquer outros e que não passamos de "macacos desenvolvidos" arrogantes, e muitas outras afirmações do gênero. Há sem dúvida uma certa "modinha" sendo estabelecida em nossa sociedade, nesse sentido. Muitos ateus usam essa contestação, de que somos genéticamente idênticos aos macacos, para tentar demonstrar que não há Deus, não há espírito, já que não há nada de especial no ser humano. Engraçado é que eu vejo, exatamente aí, uma das maiores e mais irrefutáveis provas de que somos realmente muito especiais, e de que há, sim, uma realidade não-material por trás da existência física. Explico...

Começando por uma pergunta: você sabe quais foram os maiores feitos intelectuais que um chimpanzé já conseguiu realizar até hoje, na natureza, sem o auxílio humano? Respondo: cutucar um cupinzeiro com um graveto e segurar um galho para atravessar um rio! Os biologistas classificam estes atos como incríveis realizações dos nossos irmãos símios, e são mesmo, se comparados às outras espécies. Mas não se esqueçam de que, geneticamente, somos praticamente idênticos.

E enquanto isso, nós, pobres "macacos humanos", o que fazemos, com estas mesmíssimas ferramentas genéticas com que a natureza nos dotou, a nós e aos chimpanzés?

Construímos jatos que ultrapassam a velocidade do som, criamos supercomputadores, pintamos a Capela Sistina, conquistamos a lua, compomos a 9ª sinfonia, enviamos robôs até Marte, que ficamos comandando daqui da Terra por um controlezinho remoto e etc, etc, etc, etc...

Se diferença genética (portanto física) entre humanos e chimpanzés praticamente não existe, como se explicar essa.. aham... "significativa" diferença entre o que uns e outros são capazes de fazer, por si mesmos?

Isso para não mencionar o que, segundo a visão puramente mecanicista da ciência genética, seria o mais impressionante de tudo: o ser humano é o único "animal" dotado de consciência, que sabe o que é certo e o que é errado, que é capaz de se arrepender de um ato cometido, de se sacrificar pelo seu semelhante (o que por si só já derruba a teoria do 'gene egoísta' de Dawkins) e etc.

Se esta grande, imensa, gigantesca, abissal, infinita diferença, que há entre nós e os macacos não está no corpo físico (que não é genética está agora comprovado), onde poderia ela estar? Talvez em alguma outra "parte", que não seja, digamos, física (e portanto não passível de ser analisada)?... Ah, mas o "fator espíritual" não existe... Quer dizer, se não pode ser comprovado em laboratório, então não existe, certo? Desculpe, eu me esqueci disso. A ciência deve ser posta acima de tudo, acima de nossas intuições, nossas percepções humanas que ainda não foram classificadas... Tudo isso é subjetividade pura... perda de tempo. Engraçado é que segundo pesquisa da revista Nature de 2006, acima de 50% dos maiores gênios da ciência do nosso planeta, em todos os continentes, acredita em Deus. Maioria.