Um dia de cada vez

Eu idealizei este blog com a intenção de compartilhar as minhas descobertas, as minhas experiências e os conhecimentos que adquiri por meio de pesquisa, estudo e prática. Outro objetivo importante deste espaço sempre foi o de dar voz aos visitantes, para que pudessem também fazer o mesmo: compartilhar. Mais do que natural que nesse processo surjam discordâncias, pontos de vista contraditórios, às vezes opostos. Aprender com eles nem sempre é fácil, mas é primordial para quem realmente quer aprender. As dificuldades fazem parte. E aproveitar essas oportunidades para crescer, sem dúvida faz parte da Arte.

A idéia por aqui é doar e dividir. Na economia matemática, quem dá alguma coisa, perde. Quem divide, fica com menos. Na economia da sabedoria ocorre o exato oposto: aquele que mais dá, mais recebe. Quanto mais dividimos, mais temos. Nesse campo, o que se compartilha com o próximo, desapegadamente e sem medida, volta redobrado. Não é poesia. É constatação da verdade.

__________________________________________________


Eu tenho muito carinho com o texto que segue, ele é muito especial para mim. Porque foi o primeiro post que eu publiquei na internet, há quase 2 anos, ainda na época que eu administrava um grupo do Yahoo onde eu escrevia pras moscas... Faz tempo que estou querendo republicá-lo aqui, e acho que agora é a melhor hora. Amanhã é sexta feira, então o seu conteúdo vem bem a calhar...



Se possível, leia ouvindo.


Hoje, eu tinha muitas coisas pra fazer. Compromissos. Deveres. Obrigações. Responsabilidades. Como sempre. Como todos os dias.

Saí de casa apressado, cheio de tarefas para cumprir. Quando cheguei no ponto de ônibus (eu viajo de ônibus quase todos os dias), lembrei que tinha esquecido uma coisa importante em casa, então teria que voltar, apanhar essa coisa e depois voltar para o ponto. Oohhh... e já eram 11:45 pm, eu estava em cima da hora pros meus compromissos... e com fome, porque estava ainda em jejum (acordei e fui direto pro computador, trabalhar, onde passei a manhã inteira). Soltei um suspiro, porque o tempo para ir e voltar era o tempo que eu tinha programado para o almoço - aproximadamente 10 minutos. Ficaria sem almoçar de novo (eu faço isso sempre). A diferença é que hoje eu estava com fome... mau-humor.

Pra piorar tudo, hoje é véspera de feriado prolongado, singinifica que se eu não resolver hoje, quinta feira, só na segunda. Serei punido com multa e juros... Irritação, mau-humor. Indignado comigo mesmo, maldito cabeça de vento que sou...

Foi aí que, de repente, resolvi:

Entrei num restaurantezinho simpático que fica ali mesmo, perto do ponto do ônibus, para almoçar tranquilo. Esqueci do mundo e comi sossegadamente, como deve ser; consciente de que eu sou mais importante do que os meus problemas. Adiei compromissos importantes... e daí?! Não me importa. "A cada dia cabem as suas preocupações" - diz o Mestre.

A única coisa tão importante que não pode ser deixada para depois é a própria vida. Então resolvi cuidar do mais importante: a própria vida. Almocei em paz, limpei a mente das pré-ocupações, terminei minha coca-cola calmamente e depois tomei o ônibus... não aquele, mas um outro. Pra onde? Bom, já não dava mais tempo para cumprir as minhas tarefas, então tomei o primeiro coletivo para o parque da Aclimação.

E aqui estou eu, agora. Em pleno parque ensolarado, escrevendo estas linhas num dos meus velhos cadernos, para depois passar tudo para o computador e compartilhar o que estou sentindo agora com quem vier a ler... compartilhar o quanto está sendo bom simplesmente me deixar ficar aqui um pouco, sem fazer nada, sem pensar em nada...

Estou deitado na grama, agora. São 14:30 hs. Do meu lado esquerdo há um arbusto muito belo, com folhas como de palmeira. Do lado direito uma árvore, provavelmente centenária, belíssima, tronco retorcido, parecendo uma pintura de Renoir. Bem à minha frente um lago maravilhoso reflete a luz do sol, ameno, nesta época do ano. Temperatura perfeitamente agradável. Tudo está perfeito. Vez em quando passa um pato preguiçoso, deslizando sobre o espelho d'água bem diante de mim. Também vejo adiante garças, flamingos... O ruído predominante é o canto dos passarinhos...

Ups! Só porque escrevi isto, nesse exato instante, um deles acabou de executar um pequeno solo em lá menor, em minha homenagem!

Como é quinta feira, o parque está quase vazio, muito tranquilo! O único som levemente inconveniente que ouço é o ronco distante de uma daquelas máquinas de podar grama. Mas não chega a incomodar.

Como ficar aqui sem pensar em nada é bom... Sinto-me em perfeita Comunhão com Deus e o Universo...

Bem, eu só queria dizer isso, mesmo: faça você também o que eu fiz hoje, de vez em quando! O dinheiro passa, os problemas passam, as "ondas" deste mundo ilusório vêm e vão, e um dia passarão. Mas momentos gratificantes e simples (e gratuitos) como esse, ficam para sempre. E o bem que fazem à alma são absolutamente impagáveis.


Que o Amor esteja com você


Uma última observação: O fim da história - sabe aqueles compromissos inadiáveis que eu tinha para hoje? Ao chegar em casa, descobri que poderia resolver a maior parte deles via internet, e que as questões financeiras tinham data marcada para sexta feira, amanhã, que não é dia útil. Isso significa que poderei honrá-las na segunda feira, normalmente, sem multas nem juros. Relaxei, tive uma tarde maravilhosa, e todos os meus compromissos estão em dia. Nesse momento, me lembrei de uma Regra Magna:

"Busca primeiro o Reino de DEUS, e as outras coisas"... se resolvem! Acho que foi isso que eu fiz hoje.